Corrente do bem: as ações solidárias inspiradas por Marielle Franco

Após a sua morte, a vereadora é ponto de união de ações solidárias que promovem a empatia no Brasil

Tomaz Silva/Agência Brasi

Tomaz Silva/Agência Brasi

Sociedade

Há exatamente um ano, o motorista Anderson Gomes e a única vereadora autodeclarada preta do Rio de Janeiro foram assassinados a tiros dentro de um carro, na Rua Joaquim Palhares, na região central da cidade. O episódio que marcou o país e ainda segue sem respostas foi responsável por tornar Marielle Franco um símbolo de luta, sobretudo feminista, negra, periférica e LGBTI. Foi também ao longo deste período que ações solidárias como cursos gratuitos, fundos financeiros de incentivo, bolsas de estudo e até premiações surgiram carregando o nome da ativista que, aos poucos, torna-se uma espécie de semente da coragem na luta pelos Direitos Humanos. Conheça um pouco da corrente do bem formada em torno de Marielle.

Uneafro

Uma das unidades da União de Núcleos de Educação Popular (Uneafro) homenageou a vereadora com seu nome. Nascida a partir de um coletivo da periferia de São Bernardo, a união surgiu primeiramente como uma biblioteca comunitária, onde os moradores locais frequentavam para estudar.

David Adao, um dos coordenadores do núcleo, explica que visando uma educação pública, gratuita e de qualidade que atraísse mais jovens, a organização decidiu fazer uma parceria com a Uneafro. “Queremos ajudar os jovens, negros e periféricos a entrar na universidade”, disse ele.

Além do cursinho popular, a Uneafro promoveu também, no mês de abril, a 1º edição do Prêmio Marielle Franco, que homenageou personagens como Sueli Carneiro e Regina Militão.

Leia também: A postura do clã Bolsonaro no caso Marielle

Rede Emancipa

A Rede Emancipa, movimento social de educação popular, possui atualmente 61 unidades de cursinhos pré-vestibular espalhados por oito estados brasileiros. Três deles têm o nome Marielle Franco como forma de “manutenção da memória”, segundo Danillo Prisco, um dos coordenadores do núcleo de Natal (RN).

Ele relembra que a própria vereadora foi aluna de cursinho popular e acredita que usar o nome dela é uma forma de homenagem.

Pré-Vest Comunitário

Outra ação solidária e educacional que foi inspirada na parlamentar é o Pré-Vestibular Comunitário Marielle Franco, criado em dezembro por participantes da Igreja Batista do Caminho, que oferece aulas gratuitas no centro do Rio de Janeiro a jovens de baixa renda. Além dos estudos nas salas de aula, são promovidas atividades artísticas e culturais como rodas de conversa, cineclubes e visitas a espaços culturais.

Leia também: Impunidade no caso de Marielle e Anderson é uma ferida aberta

Fundo Baobá

No início de abril, a Fundação Ford, a Open Society Foundations e o Instituto Ibirapitanga doaram juntos cerca de US$ 3 milhões ao Fundo Baobá, instituição dedicada à luta pela igualdade racial no Brasil, e criaram o Programa Marielle Franco de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras, um fundo financeiro de incentivo às mulheres negras que visam ingressar em cargos de liderança. O diretor-presidente do Instituto Ibirapitanga, Andre Degenszajn, explicou que o projeto funciona como combate ao racismo e terá frutos em aproximadamente 5 anos de funcionamento.

Bolsa Siaparto

Em junho, o Simpósio Internacional de Assistência ao Parto (Siaparto) ofereceu 100 bolsas de estudos a profissionais negras que atuavam com partos e/ou populações vulneráveis, em homenagem à ex-vereadora. Foram ao todo três dias de oficinas dadas por diferentes palestrantes.

Leia também: "O tempo é nosso inimigo", diz Freixo sobre investigação do caso Marielle

Bolsa de estudos Marielle Franco

No final do ano passado, a Escola de Estudos Internacionais Avançados da Universidade Johns Hopkins (SAIS), considerada uma das melhores instituições de ensino dos Estados Unidos, recebeu uma doação anônima com o nome da vereadora e, então, criou a Bolsa Marielle Franco. O programa é voltado para mestrado em Relações Internacionais com foco na América Latina.

Diploma de Direitos Humanos

A Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) criou, em junho, o Diploma de Direitos Humanos Marielle Franco, tornando o Senado Federal responsável pela premiação, que ocorrerá anualmente. A ideia é prestigiar pessoas que tenham sido importantes na defesa dos Direitos Humanos.

Marielle Award

Durante a 8ª Conferência Internacional sobre Resiliência, ocorrida em novembro em Portugal, também houve homenagens através do Marielle Franco Community-Design Award, que ofereceu como prêmio o valor de 10.000 euros e funcionou como instrumento de incentivo a arquitetos que trabalham em favelas e/ou zonas de vulnerabilidade social.

Instituto Marielle Franco

Os familiares de Marielle Franco anunciaram no final do mês passado que estão organizando a fundação de um instituto que funcione para auxílio psicológico e judiciário, eventos, ações, acervos e oficinas que carreguem o legado da luta pelos Direitos Humanos deixado pela ex-vereadora. Ainda não há uma data oficial para o lançamento.

“É uma causa mundial. E nós temos sangue de Marielle. Não tínhamos como ficar parados e não darmos continuidade a tudo que ela começou. Decidimos então unir forças para fazer algo pra honrar o nome e o nosso sangue ali derramado”, falou Anielle Franco, irmã de Marielle, ao portal Alma Preta.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Estagiária de Jornalismo do site de CartaCapital

Compartilhar postagem