CoronaVac: Doria assina contrato para receber 46 milhões de doses em dezembro

'São Paulo será um dos primeiros locais do mundo a ter a vacinação para a população', disse o governador

FOTO: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

FOTO: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SÃO PAULO

Sociedade

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quarta-feira 30, em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes, a assinatura do contrato para o fornecimento do primeiro lote da CoronaVac, vacina desenvolvida em parceria pelo laboratório chinês Sinovac e o Instituto Butantan. O acordo prevê o envio de 46 milhões de doses ao estado de São Paulo em dezembro deste ano.

“Vamos assinar aqui com a Sinovac o acordo para o fornecimento das 46 milhões de doses da vacina CoronaVac. As vacinas serão entregues pela Sinovac ao Butantan no próximo mês de dezembro. Vamos aguardar a finalização da terceira fase de testagem e a sinalização positiva da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Os testes seguem até o dia 15 de outubro, mas, confiantes que estamos no resultado dessa vacina e nos 50 mil testes realizados na China sem nenhuma contraindicação, estamos avançando positivamente, com esperança no coração de que essa será uma das mais promissoras vacinas contra a Covid-19″, afirmou Doria, que se referiu à assinatura do contrato como um “ato histórico”. Weining Meng, diretor do laboratório Sinovac, também assinou o documento.

“O contrato garante o fornecimento das 46 milhões de doses para dezembro e mais 14 milhões de doses da vacina até fevereiro de 2021, totalizando 60 milhões de doses. São Paulo será um dos primeiros locais do mundo a ter a vacinação para a população”, declarou o governador.

“Vamos respeitar todos os procedimentos que indicam a finalização da testagem. Depois, a aprovação da Anvisa e, aí sim, o início da vacinação, previsto até aqui para o dia 15 de dezembro, com os profissionais da saúde”, prosseguiu Doria.

O governo do estado também anunciou que, com a taxa de ocupação dos leitos de UTI em queda, começará a redirecionar leitos para o tratamento de outras doenças graves. “Há 10 semanas temos o número de internações por coronavírus em queda no estado de São Paulo. A taxa de ocupação dos leitos de UTI, que no auge da pandemia chegou a ser de 95% em algumas cidades, alcançou seu menor patamar esta semana no estado de São Paulo, com 44% de média de ocupação”, completou Doria.

Assista à íntegra da cerimônia:

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem