Conselheiro do Sport faz ataque homofóbico a Gil do Vigor, que reage: ‘Providências serão tomadas’

Ex-integrante do BBB foi atacado após dançar no estádio do time. 'É a depravação. Retrato do que o PT deixou pra gente', disse o conselheiro

Créditos: Reprodução Gshow

Créditos: Reprodução Gshow

Sociedade

O ex-participante do Big Brother Brasil Gil do Vigor foi vítima de homofobia por parte do conselheiro do Sport Clube do Recife Flávio Koury. O caso aconteceu depois que o ex-BBB, torcedor do time, concedeu uma entrevista na Ilha do Retiro, estádio do clube, e fez a dança do ‘tchaki tchaki’, que ficou famosa em sua passagem no programa da TV Globo.

 

 

“1,2 milhão de visualizações. Arretado! 1,2 milhão de pessoas achando que o Sport só tem viado, só tem bicha. Vai vender é camisa. A viadagem todinha vai comprar…Vai ser lindo”, disse o conselheiro e advogado.

“Se ele tivesse feito essa dancinha na casa dele ou no bordel, eu não estava nem aí. Foi dentro da Ilha do Retiro, né, rapaz? Isso é uma desmoralização. Isso é ausência de vergonha na cara. É isso o que estamos vivendo. Não tem mais respeito por pai e filho. É a depravação. Isso é o retrato do que o PT deixou pra gente. É exatamente isso”, acrescentou.

Os áudios com as declarações foram encaminhados ao Blog de Jamildo pelo deputado estadual Romero Albuquerque (PP), que solicitou a expulsão de Flávio Koury do quadro de conselheiros do Sport.

Gil do Vigor se manifestou em suas redes sociais sobre o caso e afirmou que providências serão tomadas. “Primeiro ataque homofóbico que me deparo após o BBB e posso garantir, ainda machuca MUITO! Mas sigo firme e providências serão tomadas”, escreveu.

 

 

O Sport Recife também se posicionou sobre o caso com uma nota publicada nas redes sociais contra a homofobia. “O Sport Clube do  Recife é de todos. Gil do Vigor é e será sempre um legítimo representante das cores do Sport”, diz um trecho do texto. “O Sport e o Conselho Deliberativo garantem que estão tomando todas as providências para que esse e todo e qualquer ato de preconceito seja devidamente penalizado”, insiste a nota.

 

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem