Sociedade

Concurso de miss infantil do SBT será investigado pelo Ministério Público

‘Agora vocês vão ver quem tem as pernas mais bonitas, o colo mais bonito, o rosto mais bonito’, instigou Silvio sobre crianças de 7 e 8 anos

Cadê a Damares, que nessa hora não desceu da goiabeira?
Cadê a Damares, que nessa hora não desceu da goiabeira?

O concurso de miss infantil promovido pelo programa Sílvio Santos, no SBT, será investigado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em São Paulo e pela Promotoria de Justiça de Osasco. O evento, televisionado no dia 22 de setembro, foi alvo de críticas e repercussões negativas, caso da nota de repúdio divulgada pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP).

O programa avaliava meninas de 7 e 8 anos de idade pelos seus atributos físicos. As crianças se apresentavam em três momentos, vestindo fantasia, maiô e depois um traje de gala para uma plateia que registrava o voto eletrônico pela garota predileta.

“Agora, vocês do auditório, que estão com o aparelhinho (de votação), vão ver quem tem as pernas mais bonitas, o colo mais bonito, o rosto mais bonito e o conjunto mais bonito”, disse Silvio Santos, em determinado momento.

frameborder="0" allow="accelerometer; autoplay; encrypted-media; gyroscope; picture-in-picture" allowfullscreen>

O entendimento da procuradora do MPT Ana Maria Vila Real, coordenadora nacional de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Coordinfância), é o de que, em situações como essa, “as crianças podem estar sujeitas à erotização e sexualização precoces, a situações adultas, a desgastes emocionais, constrangimentos e exposições”. A Promotoria de Justiça de Osasco também instaurou inquérito civil e requisitou informações à emissora. A investigação está sob sigilo.

Outro ponto levantado por especialistas é que a exposição de crianças à sexualização aumenta o número de casos de abuso infantil.

As crianças têm proteção integral prevista na Constituição Brasileira. O trabalho artístico infantil em regra é proibido por lei para menores de 16 anos, sendo apenas autorizado em situações excepcionais, desde que amparado previamente por alvará judicial e observadas certas condições de natureza protetiva.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!