Carrefour causa revolta ao cobrir corpo de trabalhador com guarda-sóis

Estabelecimento seguiu em funcionamento em Recife

Corpo de representante de vendas que morreu enquanto trabalhava em supermercado . Foto: reprodução/Twitter

Corpo de representante de vendas que morreu enquanto trabalhava em supermercado . Foto: reprodução/Twitter

Sociedade

Um representante de vendas de 53 anos da rede de hipermercados Carrefour morreu, na última sexta-feira 14, enquanto trabalhava em uma unidade do grupo no Recife (PE). O caso ganhou repercussão nas redes sociais na última terça-feira 18 quando uma foto do ocorrido foi divulgada.

O corpo foi coberto com guarda-sóis e cercado por caixas e tapumes improvisados enquanto o estabelecimento seguiu em funcionamento, segundo o G1.

Trabalhadores e clientes que estavam no local disseram ao portal que o corpo de Moisés Santos ficou no local entre 8h e 12h, até ser retirado pelo Instituto Médico Legal (IML).

Empresa diz que vai mudar protocolo

O Carrefour publicou três notas nas redes sociais. Na primeira delas, a empresa lamentou o que aconteceu na loja e  disse que a equipe de prevenção e riscos acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), assim que o prestador de serviços começou a passar mal.

A empresa também afirmou que segue “prestando toda assistência necessária para a família, neste momento tão difícil”.

Em outro comunicado, a rede informou que mudou os protocolos para casos como esses.

“Mudamos os protocolos para que as lojas sejam fechadas em casos de fatalidades como essa. Seguimos à disposição para apoiar a família do Sr. Moisés”.

A Polícia Civil  informou que vai checar se foi aberto inquérito sobre o caso.

Revolta

Nas redes sociais, o Carrefour foi alvo de críticas. O assunto foi um dos mais comentados no Twitter. Veja algumas reações.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem