Campanha pede extensão do auxílio emergencial até o fim da pandemia

'Enquanto o governo federal gasta milhões em leite condensado, as famílias brasileiras estão vivendo dias de fome', diz o documento

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Sociedade

Com o fim do auxílio emergencial e com o desemprego que atinge mais de 14 milhões de brasileiros, setores da sociedade civil lançaram nesta terça-feira 2 uma campanha pela extensão do benefício até o fim da pandemia.

O objetivo é colher assinaturas e levá-las até o novo presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), ainda em fevereiro.

 

 

“2021 chegou, o início da vacinação também, mas a pandemia ainda está longe de acabar. Enquanto o governo federal gasta milhões em leite condensado, as famílias brasileiras estão vivendo dias de fome sem o auxílio emergencial”, diz o texto.

A campanha, intitulada “Auxílio Emergencial Até o Fim da Pandemia”, ganhou um site para quem quiser fazer parte do movimento.

“As mortes por coronavírus continuam aumentando, o desemprego também e os 600 reais que garantiram a vida de milhões de famílias no ano passado foram interrompidos. Por isso, não temos tempo a perder! O presidente da Câmara, Arthur Lira, acaba de ser eleito. Não podemos esperar nenhum segundo para dar a ele nosso recado: queremos o auxílio emergencial até o fim da pandemia!”, exige o documento.

Nas redes sociais, vários usuários se manifestaram favoravelmente.

 

 

 

 

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem