Saúde

Brasileiros são destaque em evento sobre psicodélicos nos EUA  

Maior conferência sobre o tema já realizada reúne especialistas em Denver para debater um futuro pós-proibição

(Foto: Divulgação)
Apoie Siga-nos no

Com cerca de 400 palestrantes e quase 10 mil ingressos vendidos dois meses antes de começar, o congresso Psychedelic Science 2023, promete ser histórico. O evento, realizado pela Maps (Associação Multidisciplinar para Estudos Psicodélicos), que acontece em Denver esta semana, já ficou conhecido como o maior encontro sobre o tema já realizado no planeta até o momento. A participação de cientistas brasileiros e líderes indígenas reafirmam a potência do país nesse campo de estudos – especialmente com a ayahuasca, bebida psicoativa de origem amazônica.

“Em 2017, durante a última edição da conferência, fazendo um paralelo com o sucesso brasileiro no surfe, surgiu essa brincadeira sobre uma ‘brazilian storm’ (tempestade brasileira) de cientistas psicodélicos, pelo visto esse ano a onda será ainda maior”, comemora o neurocientista Stevens Rehen, que integra o time de conferencistas brasileiros no congresso. Em sua apresentação, o cientista aborda o uso de organoides cerebrais para estudar os alucinógenos.

Durante cinco dias, uma programação diversa e recheada de painéis, eventos e workshops busca cobrir a amplitude do tema. O debate inclui temas como avanços da ciência, interseção entre psicodélicos e religião e os cenários possíveis em um futuro pós-proibição. “Estamos alcançando pessoas que nunca participaram de um evento psicodélico antes. E temos muitos palestrantes vindos de fora, como por exemplo todo um contingente do Brasil”, disse Liana Gillooly, da área de iniciativa estratégica da Maps, ao site americano Lucid News.  

Outro destaque na programação é a participação do Instituto Chacruna de Plantas Psicodélicas Medicinais, criado pela antropóloga brasileira Bia Labate, que vive na Califórnia desde 2017. A ONG promove a educação pública sobre o tema e oferece durante todo o evento um cardápio diverso de atividades, com palestras, painéis e workshops.

Outro espaço do Instituto Chacruna no evento é a tenda “Plantas Sagradas, Diálogos Decoloniais e Música” com experiências cerimoniais de rapé abertas ao público, conversas sobre temas como o uso tradicional do tabaco, ayahuasca, xamanismo, reciprocidade e direitos indígenas, conservação e ecologia de plantas medicinais psicodélicas. 

Um dos convidados brasileiros do instituto é o indígena Huni Kuin Leopardo Yawa Bane, que participa de um debate sobre a globalização da ayahuasca. Apesar da presença de lideranças de povos originários no congresso, a antropóloga Bia Labate não acredita que seja sinal ainda de um “renascimento xamânico” dentro do movimento que ficou conhecido como renascença psicodélica.   

“Os indígenas sempre foram convidados para conferências no circuito psicodélico”, observa Labate. Para ela, a participação no congresso é relativamente pequena. Além do Huni Kuin no espaço do instituto, o líder Yawanawá Nixiwaka Biraci integra a extensa programação de conferências principais. 

“No sul global, especialmente no Brasil, pode-se dizer que o movimento indígena está em maior diálogo com os circuitos urbanos de troca e consumo das medicinas da floresta”. Labate cita como exemplos festivais xamânicos e a organização de conferências indígenas de ayahuasca. “Isto tudo é muito bom, mas não está chegando com a força que poderia nos EUA.”

Cientistas brasileiros em Denver 

A conferência marca um momento revolucionário para o campo e promete ser um catalisador para o futuro da pesquisa. Também participam do evento, cientistas do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, um dos grupos mais consistentes de investigação dos psicodélicos no Brasil. Entre eles, o físico e neurocientista Dráulio de Araújo, que fará duas apresentações.

Sidarta Ribeiro fundou o Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (Foto: Luiza Mugnol Ugarte)

No congresso, o pesquisador destaca resultados de pesquisas realizadas pelo grupo em torno dos efeitos agudos da ayahuasca no cérebro humano, em estudos com ressonância funcional com eletroencefalografia. “Vou falar da perspectiva de que talvez a ayahuasca de alguma maneira confira a habilidade de enxergar de olhos fechados os nossos próprios pensamentos e as nossas próprias emoções.” 

O pesquisador traz ainda estudos atuais com DMT, substância do grupo das triptaminas, um dos princípios ativos da bebida ayahuasca, também presente em raízes, caules e folhas de diversas plantas, e que é produzido pelo organismo de seres humanos e de animais mamíferos, marinhos e anfíbios. “Farei um apanhado geral dos trabalhos que estamos fazendo, incluindo um estudo sobre avaliação de mudanças cognitivas de percepção de imagética visual e estudos com a planta jurema”, conta Araújo.

‘Não são só os estudos que estão avançando’

Outra pesquisadora do Instituto do Cérebro, da UFRN, a fisiologista Nicole Leite Galvão-Coelho se diz animada não apenas pelo tamanho e pela participação do time brasileiro no congresso em Denver, mas também pelo momento em que ele ocorre. “Não são só os estudos que estão avançando com resultados positivos, também avança a descriminalização dos psicodélicos clássicos em alguns locais dos Estados Unidos e na Austrália, e a regulamentação do uso terapêutico, que é nosso principal objetivo.” 

Ela também destaca a inclusão no debate da questão das culturas tradicionais, do reconhecimento e valorização dos povos ancestrais. “Eles já tinham parte desse conhecimento que a gente vem aí trabalhando sobre ele”, ressalta a cientista. Em sua apresentação no Psychedelic Science 2023, Nicole fala sobre a resposta biológica antidepressiva induzida pela ayahuasca em um estudo clínico que o grupo do Instituto do Cérebro realizou, coordenado por Dráulio de Araújo. 

Foi o primeiro no mundo a avaliar um psicodélico clássico no tratamento da depressão em um estudo duplo-cego randomizado, o chamado padrão-ouro das pesquisas clínicas. “Resultados foram muito relevantes, mais de 30% de remissão, mais de 60% de resposta, após uma única dose de ayahuasca”, ressalta a pesquisadora.

Ela também pretende destacar análises de marcadores biológicos feitas nos estudos. “Vou apresentar a resposta anti-inflamatória da ayahuasca, 48 horas depois da ingestão”. Segundo ela, o chá psicodélico induziu um resultado muito importante. 

“Nossos pacientes tinham um nível de inflamação sistêmica elevado, a bebida regulou o sistema de resposta ao estresse e induziu a neuroplasticidade (a capacidade que o cérebro tem de expandir conexões).” 

Sonhar acordado

Outro nome importante da ciência psicodélica brasileira no congresso é Sidarta Ribeiro, neurocientista que também integra o time do Instituto do Cérebro. Ele apresenta no evento resultados de um estudo em ratos com sensores implantados no cérebro para detectar atividade elétrica. 

Os animais receberam doses de uma versão sintética do psicodélico clássico, 5-MeO-DMT, composto obtido do veneno do sapo do Rio Colorado (Incilius alvarius). O experimento, segundo Ribeiro, apresentou evidências de que os efeitos do 5-MeO-DMT produzem algo como sonhar acordado. 

Poderoso psicodélico está presente na bebida psicoativa ayahuasca. Foto: Anastásia Vaz

“Embora o animal esteja acordado, em vigília, se movimentando o cérebro dele do ponto de vista das ondas cerebrais continua variando em ciclos entre a vigília, o sono de ondas lentas e o sono REM.” 

Segundo Ribeiro, é a primeira evidência empírica de que a experiência psicodélica funde comportamentos de vigília com ondas cerebrais cujas características espectrais são semelhantes às que ocorrem no sono de ondas lentas e no sono REM.

Para ele, um dos pontos altos nos debates durante o congresso deve ser a iminência da aprovação do MDMA (metilenodioximetanfetamina) pelo FDA nos Estados Unidos para tratamento de TEPT (Transtorno do Estresse Pós-Traumático).

O neurocientista também participa do track sobre indígenas organizado pelo Instituto Chacruna. Ele também lamenta que o número de representantes de povos tradicionais seja pequeno no congresso. “A discussão sobre o Protocolo de Nagoya e a repartição de benefícios é mais urgente do que nunca.”

Outra integrante do time brasileiro, é a psicóloga de origem alemã, mas atualmente no grupo da UFRN, Isabel Wiessner, autora de um estudo brasileiro recente com LSD em seres humanos. Ela também é uma das professoras do primeiro curso de pós-graduação sobre terapia psicodélica, realizado pelo Instituto Alma Viva.

O neurocientista Eduardo Schenberg, do Instituto Phaneros, responsável pelo primeiro ensaio clínico do Brasil com MDMA, que esteve em todas as três edições anteriores do congresso da MAPS, em 2010, 2011 e 2017, participa novamente da edição deste ano. Ele reforça o coro que afirma ser  um momento histórico. “É impressionante ver o alcance crescendo e ultrapassando os preconceitos culturais e barreiras políticas.” 

O Psychedelic Science 2023 em Denver tem a participação também de celebridades da cena psicodélica mundial, como Michael Pollan, Wade Davis, Paul Stamets, Rick Doblin (fundador da Maps) e James Fadiman, autor do clássico “O Guia do Explorador Psicodélico”, que acaba de ganhar uma edição brasileira (editora Degustar). 

A empolgação em torno do evento que acontece durante toda essa semana não é sem razão. Pesquisadores e de psiconautas em geral esperam que as contundentes evidências científicas de pesquisas recentes sobre o potencial dos psicodélicos consigam vencer o obscurantismo do proibicionismo. 

Se cientistas estiverem certos, depois de décadas de proibição, os psicodélicos poderão ajudar a redefinir o futuro, abrindo caminho para uma mudança de paradigma na abordagem dos tratamentos de transtornos de saúde mental. 

Pacientes em todo o mundo com patologias graves que podem se beneficiar com novos tratamentos com essas substâncias também aguardam ansiosamente por essa virada de chave. Aguardemos os próximos capítulos.

A série Yes, nós temos ciência psicodélica, publicada pela CartaCapital com apoio do Instituto Serrapilheira, conta a curiosa e intrigante história da pesquisa científica com substâncias psicodélicas no Brasil. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo