Sociedade

Brasil terá 14 milhões de desempregados em 2022, aponta OIT

O monitoramento também estima que o País só recuperará o índice de desemprego pré-pandemia em 2023 ou 2024

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Foto: Marcos Corrêa/PR
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes. Foto: Marcos Corrêa/PR
Apoie Siga-nos no

Relatório da Organização Internacional do Trabalho divulgado nesta segunda-feira 17 projeta que o Brasil fechará 2022, o último ano previsto para o governo de Jair Bolsonaro, com 14 milhões de desempregados. O monitoramento também estima que o País só recuperará o índice de desemprego pré-pandemia no ano que vem ou em 2024.

No fim de 2019, segundo a OIT, o Brasil tinha 12,5 milhões de desempregados. O número subiu para 13,2 milhões em 2020 e para 14,3 milhões no ano passado. Para 2023, a Organização estima que o desemprego alcançará 13,6 milhões no País.

O relatório também demonstra o aumento nas taxas de informalidade do mercado de trabalho na América Latina e no Caribe – Brasil incluso. A OIT assinala que “a transição para o emprego formal em muitas economias da região foi interrompida antes da pandemia”.

“De 2015 até o início da a pandemia, a mudança do trabalho informal para o trabalho formal foi revertida (em Argentina, Brasil, Equador, Panamá), parou (no Uruguai) ou desacelerou (em Colômbia e México)”, diz o documento.

Desde meados de 2020, a informalidade responde por mais de 70% dos empregos criados em diversas nações latino-americanas, como Argentina, México e Peru, e por mais da metade em países como Chile e Costa Rica.

A OIT ainda pontua o avanço dos índices de empregos temporários no Brasil, que saltaram de 22% no 2º trimestre de 2020 para 37% no 1º trimestre de 2021.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.