Sociedade

Banco Mundial propõe novo modelo para o Bolsa Família; veja qual

Proposta extingue o mínimo de 600 reais e traz pagamento extra conforme o número de filhos menores. Este formato, alega a instituição, seria mais justo e também mais econômico

Cartão do programa Bolsa Família. Foto: Roberta Aline/MDS
Apoie Siga-nos no

Ainda durante a campanha eleitoral, Lula (PT) prometeu retomar o Bolsa Família, criado por ele mesmo em 2003 – e desfigurado durante o governo Bolsonaro (PL). Já exercendo o seu terceiro mandato, cumpriu a promessa: o programa, sob novas regras, atingiu recordes de repasses às famílias de baixa renda.

Ainda há, porém, margem para melhorias que poderiam tornar o Bolsa Família ainda mais eficaz na redução da pobreza no Brasil. É o que indica uma nota técnica do Banco Mundial, divulgada nesta terça-feira 26 pelo jornal Folha de S. Paulo

De acordo o órgão, uma versão mais justa do programa poderia incluir o pagamento de R$ 150 por membro da família, e mais R$ 150 extras para cada criança ou jovem até 18 anos. Este formato, alega a instituição, seria mais justo e também mais econômico para o governo.

Mas, para isso, o Bolsa Família teria que abrir mão de formato atual, que garante um pagamento mínimo de 600 reais por família. Ainda que a recomendação tenha mérito técnico, o Banco Mundial reconhece que seria um desafio político implementá-la.

A nota técnica do Banco Mundial está inserida em um contexto maior de discussão sobre a reformulação do programa. Uma simulação detalhada dessa proposta será apresentada hoje.

Nesta simulação, o Banco Mundial estima que o novo modelo traria benefícios para 46% das famílias atualmente atendidas pelo programa. No entanto, cerca de 43% dos beneficiários poderiam enfrentar reduções em seus repasses. Seria preciso implementar um mecanismo de transição para as famílias que deixariam de receber o piso de 600 reais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo