Auxílio emergencial negado: cidadãos reclamam de demora em análise do benefício

Relatos formaram coro na internet e questionaram Caixa sobre demora na análise dos perfis de possíveis beneficiários

(Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasi)l

(Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasi)l

Sociedade

O pagamento do auxílio emergencial de R$ 600 em decorrência da pandemia de coronavírus já movimentou mais de R$ 16,3 bilhões até a manhã desta segunda-feira 20, mas ainda há diversas reclamações sobre a demora da análise do perfil do aplicante e, também, alegadas injustiças sobre o pedido indeferido a quem precisa.

No Twitter, os usuários levantaram a hashtag #auxílioemergencialnegado para compartilharem relatos. Em um deles, uma mulher relata que a vizinha, mãe solo que poderia receber até R$ 1.200 de acordo com os parâmetros estabelecidos, foi reprovada nos parâmetros da Caixa. De acordo com o funcionamento da solicitação do benefício, ela poderá pedir uma revisão de seu pedido.

Desempregados, microempreendedores individuais (MEI) ou trabalhadores informais que não tenham renda per capita acima de R$ 522,50 ou renda familiar total acima de 3 salários mínimos (R$ 3.135) podem solicitar o benefício. Inscritos no CadÚnico e beneficiários do Bolsa Família já foram automaticamente analisados pelo DataPrev, que faz a separação de dados referentes à renda básica emergencial.

Algumas postagens reclamavam da demora da Caixa em concluir as análises. Não há, ainda, uma média de quanto tempo o DataPrev tem levado para cruzar as informações e liberar o acesso ao benefício, mas há diversos relatos de pessoas que se inscreveram na primeira semana de lançamento do aplicativo/site e ainda não receberam uma resposta, positiva ou negativa, sobre o benefício.

Há três calendários diferentes para os pagamentos do benefício: um para quem se inscreveu no aplicativo ou site para receber o Auxílio Emergencial; um para os que já recebem o Bolsa Família; um para os inscritos no CadÚnico que não recebem o Bolsa Família e/ou mulheres chefes de família.

Também há reclamações sobre a indefinição acerca do recebimento do valor – que deve ser feito preferencialmente por pagamentos digitais às contas bancárias dos beneficiados, já que não é aconselhado o comparecimento às agências da Caixa para conter possíveis aglomerações e porque o dinheiro depositado na poupança digital pode ser movimentado por meio do aplicativo Caixa Tem – que possibilita o pagamento de boletos e contas domésticas -, e por meio de transferências ilimitadas nas contas da Caixa, com transferências mensais gratuitas para outros bancos nos próximos 90 dias.

Mesmo assim, o banco programou um calendário de saques que ocorrerão conforme o mês de nascimento do beneficiário. As retiradas ocorrerão no dia 27 para os nascidos em janeiro e fevereiro, no dia 28 para os nascidos em março e abril, 29 para os nascidos em maio e junho, 30 para os nascidos em julho e agosto. Em maio, será a vez de os nascidos em setembro e outubro sacarem o benefício no dia 4; e os nascidos em novembro e dezembro, no dia 5. O dinheiro poderá ser retirado sem a necessidade de cartão em casas lotéricas, caso elas estejam abertas, e em caixas eletrônicos.

Mesmo assim, é recorrente vídeos que registrem grande movimento em frente às agências.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem