Após operação da PM, moradores encontram corpos em comunidade de São Gonçalo

Oito dos corpos foram retirados do local pelos próprios moradores, segundo relatos

Créditos: Divulgação

Créditos: Divulgação

Sociedade

Moradores do Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo (RJ) relataram ter encontrado pelo menos onze corpos em uma região de manguezal no bairro das Palmeiras, na manhã desta segunda-feira 22, após um final de semana de operações da Polícia Militar. Segundo relatos, oito dos corpos foram retirados do local pelos próprios moradores.

Em entrevista ao Bom Dia Rio, da TV Globo, o tenente-coronel Ivan Blaz, porta-voz da PM, afirmou que “os confrontos foram intensos”. “Foram na área de mangue, é uma área de difícil trânsito. Logicamente estamos falando de um momento em que marginais estavam no interior da mata fechada”. Ainda pela manhã, um comboio Polícia Civil, conduzido por dois blindados da PM, chegou ao interior da comunidade onde os corpos estavam.

Segundo a PM, o confronto na região começou na madrugada do sábado 20  quando o sargento Leandro Rumbelsperger da Silva, de 38 anos, do 7º BPM (São Gonçalo) foi atacado a tiros por criminosos durante um patrulhamento em Itaúna, bairro vizinho às Palmeiras e também parte do Complexo do Salgueiro. Leandro morreu no hospital. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) foi mobilizado e os embates se acirraram, continuando no domingo 21, quando uma idosa de 71 anos foi atingida por uma bala perdida no braço.

Os moradores do local falam em chacina. A Defensoria Pública do RJ afirmou, em nota, ter recebido “relatos sobre a violenta operação no Complexo do Salgueiro” e comunicou o fato ao Ministério Público, “para a adoção de medidas cabíveis a fim de interromper as violações”. O porta-voz da PM não comentou as denúncias e diz que aguarda a perícia.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem