Sociedade

Após denuncia de estupro, hashtag #MeuMotoristaAssediador ganha as redes

Escritora Clara Averbuck relatou nas suas redes sociais um estupro que sofreu durante uma viagem do aplicativo Uber

Apoie Siga-nos no

Por meio de uma denúncia pública de assédio sexual em uma viagem da empresa Uber, a hashtag #MeuMotoristaAssediador chegou às redes.

A escritora e militante feminista Clara Averbuck foi vítima de um estupro na noite de domingo 27, em São Paulo, quando voltava para casa por meio do aplicativo que conecta motoristas com passageiros.

“Virei estatística”, escreveu. “O nojento do motorista do uber aproveitou meu estado, minha saia, minha calcinha pequena e enfiou um dedo imundo em mim, ainda pagando de que estava ajudando ‘a bêbada’”.

Averbuck conta que ainda não decidiu se fará a denúncia formal por não querer se submeter a violência que é ir na Delegacia da Mulher. “Não quero impunidade de criminoso sexual mas também não quero me submeter à violência de estado. Justamente por ter levado tantas mulheres na delegacia é que eu sei o que me espera. Estou ponderando”.

A partir do relato a escritora lançou a hashtag #MeuMotoristaAssediador, que visa tornar público casos de assédios ocorridos em aplicativos semelhantes.

A reportagem entrou em contato com a central de atendimento da empresa e foi informada que o único canal para denúncias é por meio do site, e que não existe nenhum número de contato que preste socorro à usuária vítima de assédio. Segundo a empresa, o motorista foi banido e ela está prestando apoio à vítima.

Leia mais:

Precisamos falar de homens brancos e desigualdade de gênero

Abre alas, elas querem passar (sem assédio)

A postagem da escritora sensibilizou as redes sociais. A vereadora Sâmia Bomfim, proponente da CPI da Violência Contra à Mulher, conta que em seu gabinete recebe diversas denúncias de mulheres vítimas de violência que não sabem como recorrer às autoridades. “A cidade precisa avançar na política de combate ao assédio e abuso sexual nos transportes públicos e iniciar o debate sobre a mesma prática nos transportes via aplicativo”, afirma.

Bomfim afirma ainda que uma forma de diminuir esses números pode ser feita por meio de avaliação para as mulheres sobre a temática de gênero, campanhas permanentes de conscientização de passageiros e motoristas, além da possibilidade de pedir uma motorista mulher.

Gabriela Correa, CEO do aplicativo Lady Driver, também foi uma vítima. Assediada por um motorista, Correa optou por não realizar a denúncia por ter iniciado a corrida em um local comum ao seu dia-dia.

Com medo de novos casos de assédio, passou a procurar viagens oferecidas apenas por mulheres. Após perceber a pouca oferta, a administradora decidiu fundar um aplicativo que colocava mulheres motoristas em contato com passageiras, batizado de Lady Driver. “Quis ajudar as mulheres. Da mesma maneira que passageiras podem ser assediadas, motoristas podem sofrer em seu local de trabalho”, conta.

O aplicativo, que conseguiu a licença no Dia da Mulher, funciona apenas em São Paulo. Além desta iniciativa, outros aplicativos que conectam mulheres como Femitaxi e o Taxi Rosa já possuem licença no Rio de Janeiro, Belo Horizonte e na Grande São Paulo. Dos aplicativos tradicionais, um dos poucos que oferecem a opção de selecionar uma motorista mulher é o 99 táxis.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.