Após decisão do TST, petroleiros anunciam continuidade da greve

Na segunda-feira 17, o ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra Martins considerou a paralisação ilegal e abusiva

Nesta terça-feira, a paralisação chega ao seu 18º dia. Créditos: Gibran Mendes/CUT PR

Nesta terça-feira, a paralisação chega ao seu 18º dia. Créditos: Gibran Mendes/CUT PR

Sociedade

A Federação Única dos Petroleiros (Fup) reafirmou nesta terça-feira 18 que a greve dos petroleiros vai continuar. A paralisação chega ao seu 18º dia com 21 mil trabalhadores mobilizados em mais de 120 unidades do Sistema Petrobrás. O anúncio acontece depois que o  Ministro do Tribunal Superior do Trabalho (TST) Ives Gandra Martins considerou a paralisação ilegal e abusiva.

Em decisão anunciada na segunda-feira 17, o ministro autorizou a Petrobras  a tomar  as medidas administrativas cabíveis contra a categoria, com aplicação de eventuais sanções disciplinares.

A Fup considerou a medida “monocrática” e deu a orientação de que os petroleiros mantenham a greve e sigam as recomendações dos sindicatos em relação às tentativas de intimidação e assédio dos gestores da Petrobrás.

Até a segunda-feira,  a federação contabilizava a paralisação de 58 plataformas, 24 terminais, 11 refinarias, 8 campos terrestres, 8 termelétricas, 3 Unidades de Tratamento de Gás (UTGs), 1 usina de biocombustível, 1 fábrica de fertilizantes, 1 fábrica de lubrificantes, 1 usina de processamento de xisto, 2 unidades industriais e 3 bases administrativas.

Os petroleiros protestam contra o anúncio de fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen-PR) pela atual gestão da Petrobras, na cidade de Araucária (PR). O fim da empresa representa a demissão em massa de trabalhadores do setor. A FUP sustenta que mil funcionários diretos e terceirizados podem ser dispensados e quase 4 mil trabalhadores indiretos podem ser afetados.

Em nota divulgada no dia 14, a Petrobras diz que as unidades seguem operando em condições de segurança, com equipes de contingência formadas por empregados que não aderiram à greve e contratações temporárias autorizadas pela Justiça. A estatal afirmou ainda que está realizando o desconto dos dias não trabalhados dos empregados que aderiram ao movimento grevista.

“O desconto será realizado porque não houve a contraprestação do serviço, ou seja, os empregados não realizaram o trabalho para o qual são contratados”, escreveu a empresa.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem