Sociedade

Amigo de Bolsonaro, pastor vende semente que “cura” coronavírus por R$ 1 mil

Igreja Mundial do Poder de Deus, liderada pelo pastor Valdemiro, comercializa por telefone grão com ‘propósito’ de curar covid-19

(Foto: Reprodução/Igreja Mundial do Poder de Deus)
(Foto: Reprodução/Igreja Mundial do Poder de Deus)

A Igreja Mundial do Poder de Deus resolveu comercializar sementes de “cura” contra a covid-19, mais um movimento que vai contra medidas científicas de combate ao coronavírus e coloca mais pessoas em risco. Pedindo um “propósito” de R$ 1000, o líder da instituição, pastor Valdemiro Santiago, promete aos fiéis que plantar a semente poderá salvá-los do coronavírus.

Em um vídeo, o pastor diz que a igreja coleta casos de pessoas curadas após terem semeado o produto. “Só tem um jeito de se vencer essas fases difíceis: semeando. Essa semente, “sê tu uma benção”… você vai semear essa semente e na planta que nascer vai estar escrito ‘Sê tu uma benção'”, diz Valdemiro. Depois, dá o lance inicial – ou “propósito” – de R$ 1000 por fiel. Para quem não puder, o pastor ainda sugere outros valores para financiar a mentira, como R$ 500 ou R$ 100, no mínimo.

O pastor chega a falar sobre críticas de que estaria enganando fiéis. “Mas isso é enganar! Não. Você que tá enganado. Vai ser lindo de ver”. De acordo com o Código Penal brasileiro, é crime contra a saúde pública anunciar cura por meio “secreto ou infalível”, classificado como charlatanismo. A pena é detenção de três meses a um ano, além de multa.

Valdomiro Santigo é um dos líderes religiosos que apoia o presidente Jair Bolsonaro desde os tempos de eleição, e aparenta proximidade com o presidente. No ano passado, chegou a receber um passaporte diplomático, mas teve o acesso barrado pela Justiça. Em uma ocasião, esteve presente no Palácio do Planalto e apareceu em uma transmissão ao vivo com Bolsonaro.

A venda das sementes é destaque na página inicial do site da igreja, que não tem nenhuma orientação séria sobre como se proteger contra o coronavírus disponível aos fiéis. A mesma narrativa se repete nas redes sociais da Igreja.

Nas lives, os pastores acumulam relatos de pessoas que tiveram a doença, mas, no meio disso, fazem propaganda de livros, sementes, doações e outros produtos. Alguns apresentadores chegam a desconfiar de que as pessoas estão morrendo devido à covid-19. Em alguns cultos, é possível ver um grande número de pessoas no local. Mesmo com máscaras, a recomendação das autoridades é que as pessoas fiquem em casa.

Veja o momento em que o pastor vende a semente aos espectadores:

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!