Cultura

“A esquerda precisa parar de ter medo de admitir seus erros”

A socióloga Sabrina Fernandes, sucesso no Youtube, lança seu primeiro livro

Foi lançado em pré-venda, no início do mês, o livro Sintomas Mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira, da editora Autonomia Literária. É a primeira obra da goiana Sabrina Fernandes, doutora em Sociologia pela Carleton University, do Canadá, professora substituta na Universidade de Brasília e articulista da revista novaiorquina Jacobin. O rosto da autora, entretanto, ficou conhecido pela web: é dela o canal Tese Onze, que faz sucesso no Youtube.

Capa do livro “Sintomas Mórbidos”

O título do livro é uma homenagem a Antonio Gramsci, cuja citação “o velho está morrendo e o novo não está pronto para nascer, e nesse interregno, sintomas mórbidos aparecem” é resgatada por Sabrina para analisar o momento atual e uma possibilidade de renascimento da esquerda brasileira.

No cardápio da obra estão as manifestações de junho de 2013, o golpe contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a ascensão do antipetismo e do anticomunismo e a despolitização do país. Leia abaixo a entrevista:

CartaCapital: Sintomas Mórbidos pode ser um material introdutório para quem quer entender quem são e como se mobilizaram nos últimos anos os movimentos e partidos de esquerda brasileiros?

Sabrina Fernandes: Não diria que é um livro completamente introdutório. Certamente não é um “a esquerda para completos iniciantes”. É um livro que visa contribuir pro estado da arte da sociologia política, então há bastante teoria e análise aprofundada. Porém, antes que as pessoas se assustem, gosto de enfatizar que há também muita didática. Escrevi o livro durante mais de um ano com a preocupação de deixar os argumentos complexos compreensíveis através de certas repetições, exemplos e costuras no decorrer do livro. Dá para identificar algumas organizações de esquerda e entender melhor porque cada uma defende o que defende. A maior contribuição, porém, vem ao identificar o todo do campo da esquerda. Suas tendências e apegos e gerar reflexão sobre isso.

A socióloga Sabrina Fernandes

CC: Você inicia o livro falando da dificuldade de “se pesquisar um objeto em movimento contínuo”. Como foi esse processo? As mudanças de conjuntura trouxeram outras perspectivas sobre o que já havia escrito?

SF: Entre 2015 e 2016, escrevi a tese de doutorado que depois deu origem ao livro, concomitantemente a uma pesquisa de campo. Porém, Sintomas Mórbidos é outro projeto. Possui outra linguagem, outros exemplos e uma análise mais acertada, ao meu ver. Ao mesmo tempo que foi difícil escrever tudo isso, especialmente durante a confusão que foi 2018, me permitiu refletir sobre certas conclusões e torná-las mais precisas. Vejo que o meu tratamento do PT e do PSOL se tornou mais apurado ao final. Vejo mais semelhanças nos dois partidos hoje do que identificava no começo. Para o bem e para o mal.

CC: No livro, você diz que seu objetivo é trazer “orientação de fórmulas e práticas políticas”. Acredita que suas análises servem apenas de compreensão do que foram os últimos anos ou elas também trazem proposições de como a militância de esquerda deve trabalhar nos próximos anos?

SF: No final, trago algumas reflexões breves como uma forma de abrir o debate. Do ecossocialismo e da construção de uma unidade de diferenças. Certamente são debates necessários para hoje – até mesmo para ontem – e espero que fiquem mais presentes. A primeira porque vivemos num momento decisivo da crise ecológica global e ambas porque não enxergo remédio para isso sem uma síntese ecossocialista em uma esquerda disposta a fazer sínteses, ao invés de impor conclusões organizacionais convenientes acima de tudo.

CC: O seu livro é uma autocrítica da esquerda?

SF: A autocrítica de esquerda não pode ser feita por uma militante, uma autora e tampouco uma organização. É um esforço coletivo que passa por repensar o campo e colocar a crítica em seu devido lugar de destaque. Não há prática revolucionária sem teoria revolucionária, como a tradição leninista nos lembra, e essa relação é uma relação dolorosa de reflexão e reorganização contínua. O que espero é que o livro demonstre como é possível encaminhar a autocrítica como uma norma organizativa e estratégica para esquerda e não como algo derrogatório. A esquerda precisa parar de ter medo de admitir seus erros para que enfim possa celebrar seus acertos de forma mais frequente e reocupar o lugar na história e no campo político que tanto a extrema-direita quanto os liberais do “nem esquerda nem direita” tentam lhe negar.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!