Parceiros

O papel da Educação na erradicação do trabalho infantil

Desafio maior ainda é o do País em colocar a Educação como uma prioridade

Apoie Siga-nos no

por Denise Cesario* – “Imenso é o desafio da Educação brasileira e seus profissionais no combate ao trabalho infantil: identificar e notificar os casos, sensibilizar as famílias e a comunidade, manter o interesse das crianças e dos adolescentes na escola e somar esforços com a rede de proteção social”, afirma Denise Cesario No processo de educar o ser humano, leva-se em consideração a Educação familiar, onde são transmitidos os valores e costumes daquele núcleo, e a Educação formal, responsável por transmitir os ensinamentos curriculares, desenvolver competências e promover o desenvolvimento pessoal e social. A evolução da espécie Homo sapiens ocorreu dada a sua diferenciada capacidade cognitiva, que possibilitou superar todos os obstáculos durante a Pré-história e tornar-se a espécie humana mais hábil no processo evolutivo. Dando um salto histórico, na era contemporânea, especialistas e estudos comprovaram que as nações preocupadas com seu desenvolvimento econômico, devem investir desde a Primeira Infância na Educação de seus cidadãos. Do mesmo modo, a neurociência e a economia já atestaram os resultados significativos em pesquisas cognitivas e na economia aferida no investimento realizado em Educação por indivíduo x redução do custo social. O desenvolvimento pessoal, econômico, social e civilizatório, estão relacionados às oportunidades educativas e para as populações mais pobres, a educação é a única maneira para se romper o ciclo de exclusão social e de violação de direitos. Assim, para que todos continuemos progredindo, a fim  de mudar a realidade drástica a que muitas famílias brasileiras pobres e extremamente pobres vivem, é preciso priorizar a Educação de qualidade como política estruturante e investir na Educação Integral das crianças pequenas e no Ensino Profissionalizante, se quisermos gerar oportunidades e romper o ciclo vicioso entre pobreza e trabalho  precoce. Afinal, a relação escola x trabalho infantil é perversa para as crianças e adolescentes pobres, cujas famílias contam com a renda deles para a sobrevivência e vislumbram a atividade laboral como uma proteção contra o envolvimento com a criminalidade, reforçando mitos de que o trabalho precoce deve ser imposto às populações mais vulneráveis. A realidade, contudo, mostra o oposto: quanto mais cedo se trabalha, menor é a possibilidade da criança ou adolescente de mudar sua estória, trajetória de vida e alterar o padrão econômico do seu grupo familiar. O trabalho infantil traz inúmeros prejuízos ao  desenvolvimento do ser humano e conciliar a atividade laboral com os estudos é tarefa impossível e que resulta na evasão escolar, pois as atividades realizadas nessas circunstâncias estão, em maior parte, entre as piores formas de trabalho disponíveis e inseridas nas categorias insalubres, penosas e perigosas. Imenso é o desafio da Educação brasileira e seus profissionais no combate ao trabalho infantil e requer a articulação de vários agentes e iniciativas: identificar e notificar os casos, sensibilizar as famílias e a comunidade, manter o interesse das crianças e dos adolescentes na escola e somar esforços com a rede de proteção social. Desafio maior ainda é o do País em colocar a Educação como uma prioridade, com contínuo e adequado investimento em infraestrutura, insumos pedagógicos, formação e valorização salarial dos profissionais. O desafio de fazer entender a Educação como ferramenta na transformação da vida de  milhares de crianças, adolescentes e suas famílias, classificadas na pirâmide social brasileira como pobres e extremamente pobres e assegurar […]

O post O papel da Educação na erradicação do trabalho infantil apareceu primeiro em Agência Envolverde.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo