SP confirma dois casos da variante do coronavírus registrada no Reino Unido

Governo Doria não detalhou o quadro clínico dos pacientes; primeira infectada teve contato com viajantes que estiveram no Reino Unido

IMAGEM MICROSCÓPICA DO SARS-COV-2, O NOVO CORONAVÍRUS - FOTO: CDC

IMAGEM MICROSCÓPICA DO SARS-COV-2, O NOVO CORONAVÍRUS - FOTO: CDC

Saúde

O governo de São Paulo confirmou nesta segunda-feira 4 os dois primeiros casos registrados no Brasil da variante do novo coronavírus identificada no Reino Unido no fim de 2020.

 

 

Mais cedo, o secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que dois de quatro casos suspeitos de contaminação pela nova cepa foram descartados. Ambos eram pacientes internados em hospitais privados e que voltaram de viagem ao Reino Unido.

No dia 31 de dezembro, o laboratório de diagnósticos Dasa afirmou ter encontrado dois casos da variante em São Paulo. Posteriormente, veio a confirmação do Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, ligado à Secretaria da Saúde de São Paulo.

De acordo com o governo de João Doria (PSDB), uma das pessoas que testaram positivo é uma mulher de 25 anos, moradora de São Paulo, que se infectou após contato com viajantes que passaram pelo Reino Unido. Os primeiros sintomas apareceram no dia 20 de dezembro: dor de cabeça, dor de garganta, tosse, mal-estar e perda de paladar. O teste para detecção do coronavírus foi realizado em 22 de dezembro.

O outro infectado é um homem de 34 anos ligado à primeira paciente. A equipe de Vigilância Epidemiológica ainda investiga o histórico do caso e não forneceu detalhes como o local de moradia e os sintomas apresentados.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem