Saúde

SP confirma dois casos da variante do coronavírus registrada no Reino Unido

Governo Doria não detalhou o quadro clínico dos pacientes; primeira infectada teve contato com viajantes que estiveram no Reino Unido

Foto: CDC
Apoie Siga-nos no

O governo de São Paulo confirmou nesta segunda-feira 4 os dois primeiros casos registrados no Brasil da variante do novo coronavírus identificada no Reino Unido no fim de 2020.

Mais cedo, o secretário estadual da Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou que dois de quatro casos suspeitos de contaminação pela nova cepa foram descartados. Ambos eram pacientes internados em hospitais privados e que voltaram de viagem ao Reino Unido.

No dia 31 de dezembro, o laboratório de diagnósticos Dasa afirmou ter encontrado dois casos da variante em São Paulo. Posteriormente, veio a confirmação do Laboratório Estratégico do Instituto Adolfo Lutz, ligado à Secretaria da Saúde de São Paulo.

De acordo com o governo de João Doria (PSDB), uma das pessoas que testaram positivo é uma mulher de 25 anos, moradora de São Paulo, que se infectou após contato com viajantes que passaram pelo Reino Unido. Os primeiros sintomas apareceram no dia 20 de dezembro: dor de cabeça, dor de garganta, tosse, mal-estar e perda de paladar. O teste para detecção do coronavírus foi realizado em 22 de dezembro.

O outro infectado é um homem de 34 anos ligado à primeira paciente. A equipe de Vigilância Epidemiológica ainda investiga o histórico do caso e não forneceu detalhes como o local de moradia e os sintomas apresentados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo