Saúde

Rio reabre hoje bares, restaurantes e comércio não essencial

Em nota técnica, Fiocruz recomenda que cidade mantenha as medidas restritivas; ‘a incidência ainda é muito alta’, diz o texto

 (Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil)
 Feriadão e tempo bom lotam praias e movimentam hotéis no Rio. (Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil)
(Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil) Feriadão e tempo bom lotam praias e movimentam hotéis no Rio. (Foto: Fernando Frazão/ Agência Brasil)

Bares, restaurantes, serviços e comércio não essenciais estão autorizados a reabrir a partir desta sexta-feira 9 na cidade do Rio de Janeiro, depois de duas semanas fechados devido à pandemia de Covid-19. Também poderão funcionar ambientes culturais e estabelecimentos de lazer.

Esses estabelecimentos considerados não essenciais terão, no entanto, restrições de horário para atendimento presencial ao público. Bares, restaurantes, lanchonetes e quiosques da orla, por exemplo, só poderão funcionar até 21h. Depois desse horário, só serão aceitos serviços de entregas, retirada de produtos do local e drive thru.

O comércio não essencial, em ruas ou shoppings, poderá abrir das 10h às 11h e os serviços, das 12h às 21h. Clubes sociais e esportivos terão de funcionar até 21h, com áreas de lazer e recreação, abrindo apenas a partir das 11h.

Teatros e cinemas

Ambientes culturais e estabelecimentos de lazer só poderão funcionar das 12h às 21h. São eles: museus, galerias, bibliotecas, cinemas, teatros, casas de festa, salas de apresentação, salas de concerto, salões de jogos, circos, recreação infantil, parques de diversões, temáticos e aquáticos, pistas de patinação, atividades de entretenimento, visitações turísticas, exposições de arte, aquários e jardim zoológico.

Apesar da flexibilização, continuam suspensos o funcionamento de boates, danceterias, salões de dança e casas de espetáculo e a realização de eventos de qualquer natureza, festas e rodas de samba em áreas públicas e particulares.

A permanência de pessoas, a prática de esportes coletivos e o comércio continuam proibidos nas areias das praias, parques e cachoeiras.

Também continua proibida a permanência de pessoas nas vias, áreas e praças públicas do Rio no horário das 23h às 5h.

Fiocruz recomenda manutenção de medidas

Em nota técnica divulgada na quinta-feira 8, a Fundação Oswaldo Cruz afirmou que “a incidência de Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG) no município encontra-se em nível muito elevado, estimado com valores até a semana epidemiológica 12, acima de 18 casos por 100 mil habitantes (média móvel das últimas semanas), ao passo que seis semanas atrás encontrava-se na ordem de 6 casos por 100 mil habitantes”.

No texto, a Fiocruz ressalta ainda que é essencial que essas ações sejam adotadas por toda a região metropolitana, que compreende 21 municípios do estado.

“Podemos afirmar que o esforço isolado do município do Rio de Janeiro pode não resultar nos efeitos esperados para a redução das taxas de ocupação de leitos, bem como para reduzir a circulação do vírus, que não conhece fronteiras administrativas”, alertam os pesquisadores.

(Com informações da Agência Brasil)

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!