Quem é Nelson Teich, escolhido por Bolsonaro para substituir Mandetta

Oncologista foi assessor da campanha de Bolsonaro durante as eleições de 2018

O oncologista Nelson Teich. Foto: Reprodução/YouTube

O oncologista Nelson Teich. Foto: Reprodução/YouTube

Política,Saúde

O oncologista Nelson Teich foi escolhido para substituir Luiz Henrique Mandetta no comando do Ministério da Saúde. A troca de ministros ocorre após o presidente Jair Bolsonaro entrar em choque com Mandetta e se opor à recomendação de isolamento social como forma de combate ao novo coronavírus.

Segundo informou o site BBC Brasil, Nelson Teich é sócio da Teich Health Care, uma consultoria de serviços médicos, e atuou como consultor informal da campanha eleitoral de Bolsonaro em 2018. Na época, chegou a ser cotado para o cargo de ministro da Saúde, mas foi preterido.

Teich participou do governo entre setembro de 2019 e janeiro de 2020, informa o site, como assessor do secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Denizar Vianna.

 

Nascido no Rio de Janeiro, é formado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e especializado em oncologia no Instituto Nacional de Câncer (Inca). Em 1990, fundou o Grupo Clínicas Oncológicas Integradas (Coi) e atuou como presidente da entidade até 2018.

Como informa o jornal O Estado de S. Paulo, o oncologista defende o isolamento horizontal, modelo aplicado inclusive a quem não compõe o grupo de risco do coronavírus. Já Bolsonaro é favorável ao isolamento vertical, para grupo de riscos, composto principalmente por idosos.

Segundo o veículo, o médico tem apoio da categoria e boas relações com empresários do setor de saúde. Em texto publicado no LinkedIn, ele criticou a discussão polarizada entre a saúde e a economia. Segundo ele, a situação foi conduzida de uma forma inadequada, “como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem