Saúde

Pfizer prevê início de vacinação no Brasil até março

Europa e Estados Unidos devem contar com o imunizante ainda em dezembro, segundo a empresa norte-americana

Foto: AFP
Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

A vacina contra Covid-19 produzida pela norte-americana Pfizer e pela alemã BioNTech deve estar disponível para ser aplicada no Brasil no primeiro trimestre de 2021, de acordo com o presidente da Pfizer no país, Carlos Murillo. Essa data projetada depende das etapas de verificação da eficácia junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O imunizante precisa ser armazenado em temperaturas de -70 graus celsius, o que gera um desafio. Segundo Murillo, há negociações avançadas com o governo federal. Foi apresentada, também, uma solução parcial para essa dificuldade logística.

Trata-se de uma embalagem especial, composta por gelo seco, por meio da qual seria possível manter o imunizante sob a temperatura necessária por até 15 dias. Após o processo de descongelamento, a vacina ainda terá cinco dias de estabilidade em refrigeradores comuns.

“Ou seja, do momento em que o produto chega ao país até ser aplicado seriam 20 dias”, disse Carlos Murillo nesta quinta-feira 12 em evento na Academia Nacional de Medicina. “Não é simples, não resolve toda a logística, mas muda muito o esquema de pensar em ter um freezer de baixas temperaturas em cada centro de vacinação”, completou.

Na Europa e nos Estados Unidos, o plano é iniciar o processo de vacinação ainda neste ano. “Nos Estados Unidos, a estimativa é que entreguemos todos os requisitos que o FDA (órgão regulador) definiu para uso emergencial da vacina ainda na terceira semana de novembro. Com isso, estaríamos vacinando lá em dezembro”, afirmou.

Na última segunda-feira 9, Pfizer e BioNTech anunciaram que o resultado preliminar da fase três de testes da vacina sugere eficácia superior a 90%. Esta é a última etapa antes do pedido formal de homologação.

“Demos um passo importante e estamos mais perto de prover aos cidadãos do mundo esta vacina, tão necessária para contribuir a acabar com esta crise sanitária mundial”, afirmou na segunda 9 o presidente da Pfizer, Albert Bourla.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.