Pandemia segue em nível crítico, alerta Fiocruz; foram 3.163 mortes em 24h

Segundo os pesquisadores, o País pode continuar a registrar nas próximas semanas altos índices de casos e mortes

FOTO: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

FOTO: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

Saúde,Sociedade

A Fundação Oswaldo Cruz divulgou nesta quarta-feira 28 um boletim extraordinário de seu Observatório Covid-19 para informar que, apesar do registro de queda nos casos e mortes decorrentes do novo coronavírus, a pandemia segue em nível crítico no Brasil.

Nas últimas 24 horas, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o País teve 3.163 óbitos, levando o total de vítimas fatais a 398.185. Entre terça e quarta-feira, também foram contabilizados 79.726 novos casos de Covid-19. Com isso, o total oficial de infectados subiu para 14.521.289.

A média móvel de mortes, que leva em consideração os dados dos últimos sete dias, é de 2.387. A de casos, de 56.928.

 

 

A análise do observatório da Fiocruz se baseia nos dados coletados entre 18 e 24 de abril, os quais apontam para uma redução de 1,5% ao dia no número de casos e de 1,8% no de mortes, “mostrando uma tendência de ligeira queda, mas ainda não de contenção” da Covid-19.

Os pesquisadores da Fiocruz avaliam que o comportamento identificado pode indicar a formação de um cenário semelhante ao de 2020, mas com números mais elevados de casos e óbitos. “Esse conjunto de indicadores, que vêm sendo monitorados pelo Observatório Covid-19 Fiocruz, mostram que a pandemia pode permanecer em níveis críticos ao longo nas próximas semanas”, alertam.

É por isso que os pesquisadores chamam a atenção para os riscos de flexibilizar em demasia as medidas de distanciamento social nos estados. Dada a fragilidade da queda registrada nos últimos dias, não se descarta uma nova ascensão nos números.

Eles também afirmam que “a reorganização e a ampliação da estratégia de testagem é essencial para evitar novos casos, bem como reduzir a pressão sobre os serviços hospitalares”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem