OMS reitera que o coronavírus também afeta os jovens

A Covid-19 já provocou várias vítimas entre menores e adolescentes, incluindo um bebê nos EUA e uma adolescente de 12 anos na Bélgica

Vários casos críticos da doença já foram registrados em adolescentes e jovens adultos (Foto: ZINYANGE AUNTONY / AFP)

Vários casos críticos da doença já foram registrados em adolescentes e jovens adultos (Foto: ZINYANGE AUNTONY / AFP)

Saúde

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recordou nesta quinta-feira 2 que os jovens também são afetados pela pandemia de covid-19, que provocou várias vítimas entre menores e adolescentes.

“A ideia de que a covid-19 afeta apenas pessoas mais velhas é factualmente equivocada”, afirmou o diretor geral da OMS para a Europa, Hans Kluge, em uma entrevista coletiva exibida pela internet a partir de Copenhague, capital da Dinamarca.

“A idade não é o único fator de risco para uma forma grave da doença”, insistiu Kluge.

Vários casos críticos da doença foram observados em adolescentes e jovens adultos. Muitos deles exigiram atendimento em Unidades de Tratamento Intensivo e alguns morreram, recordou Kluge.

Na Europa, a vítima mais jovem reportada é uma adolescente de 12 anos na Bélgica. Nos Estados Unidos, um bebê de seis semanas faleceu vítima da covid-19.

De 10% a 15% dos menores de 50 anos sofrem uma infecção de moderada a grave, de acordo com a OMS.

“Aqueles que têm boa saúde apresentam menos risco”, disse Kluge, que também citou casos de “pessoas com mais de 100 anos (…) internadas nos hospitais com covid-19 que se recuperaram completamente”.

A OMS Europa registrou oficialmente mais de 464.859 casos de coronavírus e 30.098 mortos em 53 países de sua circunscrição, que vai da costa Atlântica do continente até a costa Pacífica da Rússia.

Quase 80% das pessoas falecidas apresentavam outra doença crônica, em particular do tipo cardiovascular ou diabetes.

Para Kluge, o respeito das ordens de saúde é necessário “em qualquer idade”.

“Não é apenas um ato de solidariedade com os outros, particularmente aqueles com maior probabilidade de serem gravemente afetados, mas também é um ato vital para sua própria saúde e segurança”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem