Saúde

OMS pede ação ‘racional’ contra a variante Ômicron: ‘Temos mais perguntas que respostas’

‘A resposta mundial dever ser calma, coordenada e coerente’, declarou Tedros Adhanom, diretor da organização

Foto: Fabrice Coffrini/AFP
Foto: Fabrice Coffrini/AFP

O diretor da Organização Mundial da Saúde pediu nesta terça-feira 30 aos Estados-membros uma resposta “racional e proporcional” à Ômicron, a nova variante do coronavírus que provoca pânico há vários dias.

“A resposta mundial dever ser calma, coordenada e coerente”, declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus, em uma reunião de informação sobre a nova variante na sede da OMS, em Genebra.

“Compreendo a preocupação de todos os países por proteger seus cidadãos contra uma variante que ainda não entendemos perfeitamente. Mas também estou preocupado com o fato de que vários Estados-membros implantem medidas gerais e brutais que não são fundamentadas em evidências nem são eficazes por conta própria, e que apenas agravarão as desigualdades”, afirmou.

“Pedimos a todos os Estados-membros que adotem uma resposta racional e proporcional ao risco, de acordo com o Regulamento Sanitário Internacional”, prosseguiu, ao mencionar o instrumento jurídico de referência para a OMS e os países que integram a organização.

“Ainda temos mais perguntas que respostas sobre a Ômicron.”

Também disse que não se deve ficar surpreso com o fato de que o vírus evolui. “É o que os vírus fazem”, insistiu.

“Quanto mais permitirmos que a pandemia se eternize, sem remediar as desigualdades no acesso às vacinas ou não aplicando medidas sociais e de saúde pública de maneira adaptada e coerente, mais possibilidades daremos ao vírus para que sofra uma mutação de um modo que não podemos antecipar nem impedir”, afirmou Tedros.

A nova cepa foi detectada inicialmente na África do Sul na semana passada, mas já se propagou por todos os continentes. Isso levou muitos países a suspender as conexões aéreas com o sul da África, a instaurar dispositivos de prevenção e, no caso das nações com os maiores estoques de vacinas contra a Covid-19, a aconselhar uma dose de reforço à população.

Tedros agradeceu a “Botsuana e África do Sul por terem detectado, sequenciado e alertado sobre a variante de maneira tão rápida” e se declarou “profundamente preocupado porque estes países estão sendo penalizados por terem feito o que deveriam fazer”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!