Saúde

Ômicron é fruto da desigualdade vacinal, diz presidente da Cruz Vermelha

Os países ocidentais foram acusados ​​de acumular vacinas e a OMS os exortou a evitar uma corrida para dar doses de reforço

Foto: Lionel BONAVENTURE / AFP
Foto: Lionel BONAVENTURE / AFP

O surgimento da variante Ômicron do coronavírus é a “prova definitiva” do perigo de taxas de vacinação desiguais em todo o mundo, disse o chefe da Cruz Vermelha na sexta-feira 3. Cerca de 65% das pessoas em países de alta renda receberam pelo menos uma dose da vacina contra o coronavírus, mas pouco mais de 7% em países de baixa renda, mostram números da ONU.

“A comunidade científica alertou a comunidade internacional em várias ocasiões sobre os riscos de novas variantes em lugares onde há uma taxa muito baixa de vacinação”, disse Francesco Rocca, presidente da Cruz Vermelha à agência AFP, em entrevista em Moscou.

Os países ocidentais foram acusados ​​de acumular vacinas e a Organização Mundial de Saúde (OMS) os exortou a evitar uma corrida para dar doses de reforço, quando milhões em todo o mundo ainda não receberam uma única dose.

“Esta é uma abordagem egoísta vinda da comunidade ocidental, é realmente uma abordagem cega”, disse Rocca. “É inacreditável que ainda não estejamos percebendo o quanto estamos interconectados. É por isso que chamo a variante Ômicron de evidência definitiva.”

A Ômicron, uma versão fortemente mutada do coronavírus, foi relatada pela primeira vez na África do Sul em 24 de novembro e agora está presente em mais de duas dezenas de países.

Isso gerou uma onda de proibições de viagens, colocou a recuperação econômica global em dúvida e gerou alertas de que poderia causar mais da metade dos casos de covid na Europa nos próximos meses.

Quebra de patentes: solução para o fim da pandemia?

“É essencial e vital identificar novas soluções, para encontrar o fim da pandemia, e a única forma é vacinar, para ter acesso a todos, em qualquer lugar”, disse Rocca.

Uma opção, disse ele, é suspender os direitos de propriedade intelectual das vacinas contra a Covid-19 para aumentar a produção.

A ideia encontrou forte oposição de gigantes farmacêuticos e seus países anfitriões, que insistem que as patentes não são o principal obstáculo para o aumento da produção e alertam que a mudança pode prejudicar a inovação.

“É um imperativo moral. Não sou ingênuo. Sei que existem empresas farmacêuticas que protegem suas patentes”, disse Rocca. “O outro lado da moeda é que os governos investiram bilhões em pesquisa. Portanto, acho imoral o que está acontecendo em torno das patentes.”

A Cruz Vermelha desenvolve atividades humanitárias em 192 países.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!