Nova campanha de SP usa imagens do Equador para pedir isolamento

Guayaquil se tornou famosa pelas imagens de corpos aguardando retirada na cidade; Doria ameaçou rever flexibilização de quarentena

(Foto: JOSE SANCHEZ LINDAO / AFP)

(Foto: JOSE SANCHEZ LINDAO / AFP)

Saúde

A Prefeitura de São Paulo lançou uma nova campanha para pedir aos paulistanos que fiquem em casa, mas, dessa vez, utilizou de imagens mais fortes do que as que estava usando regularmente para passar um recado mais incisivo. No vídeo, que passa a circular a partir desta quinta-feira 23, há imagens da cidade de Guayaquil, no Equador, que tornou-se famosa pela tragédia que vive atualmente com a pandemia do coronavírus.

Para além do número de infectados e da sobrecarga dos leitos nos hospitais, a cidade vive um colapso no sistema funerário, o que fez com que os habitantes ficassem por dias com os corpos dos familiares mortos em casa esperando pela Defesa Civil. As imagens da tragédia equatoriana se espalharam pelo mundo todo como um alerta de outros efeitos da pandemia nos sistemas de saúde e de gestão.

A cidade chegou a receber uma doação de mil caixões de papelão da Associação de Papeleiros equatoriana, que foi entregue a dois cemitérios da localidade, mesmo com a não recomendação pelo uso dos modelos por questões sanitárias. “É para que possam cobrir a demanda de caixões, que estão em falta na cidade ou são extremamente caros”, disse um porta-voz do conselho de Guayaquil na ocasião.

A linha de comunicação do governo estadual paulista apelava para a solidariedade em tempos de isolamento. O tom mais grave na nova campanha municipal vem após a queda do distanciamento social entre a população e após protestos, no domingo, que pediam a volta ao trabalho em meio aos clamores a golpes militares. Veja a diferença entre as campanhas abaixo:

Atualmente, o Equador possui 10.850 casos confirmados da covid-19 e 537 óbitos. A província de Guayas, onde fica Guayaquil, é a mais atingida, e concentra 71% dos casos detectados no país. Autoridades estimavam para as próximas semanas até 3.500 mortes somente em Guayas.

Na coletiva de imprensa desta quinta, Doria informou que a taxa de isolamento do estado tinha atingido os 48% na quarta-feira, uma taxa expressivamente menor do que os X% registrados na terça. “Isso é grave, acendendo o sinal amarelo. Não podemos abaixar de 50%.”, disse Doria, enfatizando o pedido para as pessoas ficarem em casa.

O governador chegou a dizer que, caso a taxa de isolamento fique persistentemente abaixo dos 50%, o Comitê de Combate ao Coronavírus pode rever as medidas de flexibilização da quarentena no estado, previstas para começarem no próximo dia 11 de maio.

A campanha foi anunciada pelo prefeito da cidade de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), que afirmou também que a prefeitura tem a intenção de “minimizar a dor das famílias para que elas possam dar um sepultamento digno aos familiares”. Atualmente, 70% dos leitos da cidade estão ocupados.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem