Mundo supera um milhão de mortes por coronavírus

Estados Unidos, Brasil e Índia lideram a lista de mais vítimas pela pandemia no mundo

Coveiro anda entre covas de vítimas do coronavírus (Foto: Nelson Almeida/AFP)

Coveiro anda entre covas de vítimas do coronavírus (Foto: Nelson Almeida/AFP)

Mundo,Saúde

Mais de um milhão de pessoas morreram na pandemia de Covid-19, que teve origem no fim de 2019 na China e que se propagou por todo o mundo. Nesta segunda 28, a Índia superou a marca de seis milhões de casos.

O mundo registrou nos últimos meses imagens como as covas coletivas no Brasil, um necrotério improvisado em uma pista de patinação de gelo em Madri e caminhões frigoríficos com cadáveres nas ruas de Nova York.

Até o momento, foram confirmadas oficialmente 1.001.854 mortes no planeta, de um total de 33.150.844 casos detectados, enquanto 22.746.058 pessoas foram curadas, de acordo com um balanço da AFP com base em números oficiais dos países.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu que as mortes por Covid-19 podem dobrar e alcançar dois milhões, caso as medidas para evitar a propagação do vírus não sejam mantidas.

Apesar dos confinamentos decretados em determinados momentos, e depois flexibilizados, e outras decisões adotadas, muitos países não conseguiram frear a pandemia, que está provocando desastrosas consequências econômicas e aumentou as divisões políticas.

As regiões mais afetadas em número de mortes são América Latina e Caribe (341.616 vítimas fatais, de 9.210.942 casos), Europa (230.063; 5.288.153) e Estados Unidos e Canadá (214.063; 7.268.105).

Os países com mais mais óbitos são Estados Unidos (204.724), Brasil (141.741) e Índia (95.542).

Mas a lista de mortes em relação à população é liderada pelo Peru (975 vítimas fatais por milhão de habitantes), seguida por Bélgica (861), Bolívia (671) e Espanha (668).

 

“Nem em meus piores pesadelos”

Além da frieza dos números, a consequência mais devastadora é o vazio deixado pelas pessoas que morreram, já que muitos lutos aconteceram sem que os parentes tivessem condições de acompanhar a vítima na parte final da doença ou sem uma despedida após a morte, devido às medidas sanitárias.

“Nem em meus piores pesadelos imaginei que passaria por isto”, declarou Mónica, de 45 anos, ao recordar que teve que certificar com sua assinatura que o corpo que seria cremado era o de seu pai, Oscar Farías, que faleceu em Buenos Aires em 27 de abril aos 81 anos, sem poder sequer observar o caixão.

Em 11 de janeiro, a China registrou oficialmente a primeira morte por Sars-CoV-2, vírus responsável pela covid-19, que se propagou rapidamente na província de Wuhan, onde foi detectado em dezembro.

Em um mês, a China registrou mais de 1.000 mortes, um balanço mais grave que o deixado pela SARS (Síndrome Respiratória Aguda Grave), que circulou na Ásia em 2002-2003 e matou 774 pessoas.

A partir de fevereiro, o vírus começou a provocar mortes fora da China e sua aceleração foi exponencial, primeiro na Europa, que agora observa uma segunda onda, e depois no continente americano, onde os números de casos e mortes permanecem elevados desde junho.

A resposta dos governos foi drástica na grande maioria dos casos. Em meados de abril, quase 60% da população mundial, 4,5 bilhões de pessoas, foi afetada por algum tipo de confinamento.

As consequências econômicas do confinamento, inédito na história, chegaram a todos os cantos do planeta.

Comércios fechados, ruas desertas, aeroportos vazios, problemas de abastecimento nos mercados: o mundo nunca havia passado por algo parecido.

Em junho, o Fundo Monetário Internacional (FMI) calculou que o PIB mundial registraria contração de 4,9% em 2020.

Em um ano, o setor aéreo perdeu 92% do volume de voos.

Os grandes eventos esportivos foram interrompidos e os Jogos Olímpicos de Tóquio adiados para 2021, sem a certeza absoluta de que serão organizados.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem