Saúde

Mundo já registrou mais de 50 mil casos de Monkeypox desde o início do surto

No entanto, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, confirmou que há um declínio de novas infecções

Foto: iStock
Apoie Siga-nos no

Mais de 50 mil casos de varíola dos macacos foram registrados desde o início do surto que afeta principalmente a América do Norte e a Europa, informou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quarta-feira 31. Os números são divulgados um dia após a instituição afirmar que a epidemia começava a ser contida na Europa e que poderia ser eliminada da região.

De acordo com o painel da organização que registra todos os casos confirmados no mundo, havia 50.496 casos e 16 mortes em 31 de agosto.

No entanto, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, confirmou que há um declínio de novas infecções, que pode ser uma prova de que o surto está sendo contido. “Nas Américas, onde mais da metade dos casos relatados foram registrados, vários países continuam tendo um aumento no número de infecções, mas é encorajador ver uma tendência de queda sustentada no Canadá”, declarou em entrevista coletiva.

“Alguns países europeus, como Alemanha e Holanda, também estão vendo uma clara desaceleração do surto, demonstrando a eficácia das intervenções de saúde pública e o envolvimento da comunidade no rastreamento de infecções e prevenção da transmissão”, acrescentou.

Surto pode ser interrompido

“Estes sinais confirmam o que temos dito constantemente desde o início: que com as medidas certas, este é um surto que pode ser interrompido”, insistiu o diretor-geral da OMS. “Nós não temos que viver com a varíola dos macacos”, acrescentou.

Desde o início de maio, casos foram relatados fora dos países africanos onde a doença é endêmica. A OMS elevou seu nível de alarme ao máximo em 24 de julho, quando declarou o surto uma emergência internacional de saúde pública, como havia feito com a Covid-19, em 2020.

Primeira vítima fatal nos Estados Unidos

O balanço do OMS coincide com o anúncio de uma provável primeira morte nos Estados Unidos vinculada com a varíola dos macacos. O caso foi registrado no Texas na terça-feira 30, mas as autoridades disseram que ainda estão investigando qual teria sido o papel da doença no óbito do paciente “com imunodeficiência grave”.

“É importante enfatizar que as mortes causadas pela varíola dos macacos, embora sejam possíveis, continuam sendo muito raras”, disse Jennifer McQuiston, do Centro para o Controle e a Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês), em entrevista coletiva.

Até agora, os Estados Unidos registraram 18.100 casos de varíola dos macacos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo