Ministério da Saúde fecha compra de vacina chinesa Coronavac

Acordo foi fechado após reunião com o ministro Pazuello, afirma o governo de SP

Profissional manuseia vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac. Foto: WANG ZHAO/AFP

Profissional manuseia vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac. Foto: WANG ZHAO/AFP

Saúde

O Ministério da Saúde irá comprar doses da vacina contra Covid-19 ‘Coronavac’, produzida em parceria entre o laboratório Sinovac e o Instituto Butantan. A informação foi confirmada pelo governo de São Paulo.

 

Segundo nota enviada à imprensa, o acordo para a aquisição de 46 milhões de doses da vacina pelo Sistema Único de Saúde (SUS) foi fechado após uma reunião entre o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, e outros 24 governadores.

“A expectativa é que a vacinação nacional possa iniciar em janeiro do próximo ano. “, afirma a nota, que logo depois relembra que ainda resta a aprovação do fármaco pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

“O Governo Federal confirmou que irá adquirir o imunizante após aprovação na Anvisa. O potencial imunizante contra o coronavírus está em fase final de estudos clínicos no Brasil e se mostrou totalmente seguro nos testes realizados desde o final de julho.”

 

‘Vacina mais segura do mundo’

Na segunda-feira 19, o governo de São Paulo apresentou estatísticas relacionadas aos 9 mil voluntários que receberam doses da Coronavac.

Os indicativos fizeram o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, nomear a vacina como ‘a mais segura do mundo’ até o momento devido ao baixo nível de efeitos colaterais registrados.

No entanto, segundo Dimas Covas, os resultados de eficácia ainda não foram finalizados porque eles dependem da ocorrência de um número mínimo de infecções por covid-19 [doença provocada pelo novo coronavírus] entre os voluntários.

Para a Coronavac, o número mínimo estipulado para uma primeira análise é de 61 infecções. Isso, segundo ele, só deverá ser atingido entre os meses de novembro ou dezembro.

 

*Com Agência Brasil

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem