Ministério da Saúde encerra redes sociais com informações sobre HIV/Aids

A ideia é que os esclarecimentos sejam concentrados apenas em um único perfil, junto com outros assuntos

Ministério da Saúde encerra redes sociais com informações sobre HIV/Aids

Saúde

O ministério da Saúde anunciou na segunda-feira 22 o encerramento das redes sociais do Departamento de Doenças de Condições Crônicas e IST, parte do órgão que é responsável pela divulgação de dados sobre HIV, Aids e doenças sexualmente transmissíveis. A rede fazia, em média, um post informativo por dia.

O departamento anunciou via post que todas as informações serão postadas no perfil oficial do Ministério da Saúde. Segundo informou a assessoria de imprensa do ministério, a ideia é que os esclarecimentos sejam todos concentrados apenas em um único perfil, que até então era utilizado para divulgar medidas do governo e o dia a dia do ministro, Henrique Mandetta.

O médico infectologista da Santa Casa de São Paulo, Pedro Campana, comenta que a medida desfavorece a divulgação de informações sobre HIV/Aids porque tira prioridade do tema. “A partir do momento que você agrega o HIV à outras doenças, você diminui a importância e o foco na atenção a essa doença específica”, disse.

Além de perder a prioridade, Campana explica que as ONGs que tratam do assunto terão maiores dificuldades em acessar as informações oficiais sobre o tema, pois estarão misturadas com outras áreas. “Tirar um veículo de acesso à informação é privar os brasileiros de terem essas informações prontas. Além disso, esses conteúdos não serão priorizados, e virão com outras informações do ministério da Saúde, o que é muito ruim”, afirmou.

Em abril deste ano, o presidente Jair Bolsonaro acabou com o Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, rebaixando-o para uma coordenação que cuida também de outras doenças.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem