Saúde

Instituto Pasteur afirma ter destruído células infectadas pelo HIV

Embora em fase inicial, o teste abre uma nova possibilidade de cura da Aids

Pixabay
Pixabay

Pesquisadores do Instituto Pasteur anunciaram nesta quinta-feira 20 terem destruído com sucesso células infectadas pelo HIV. O estudo, publicado na revista científica Cell Metabolism, ainda não apresenta um tratamento, mas abre o caminho para que todos os portadores de Aids possam um dia ser curados.

Hoje, o tratamento da Aids utiliza os chamados antirretrovirais, descobertos nos anos 1990 e usados para bloquear a infecção. O problema é que o medicamento não elimina o HIV do organismo. Os doentes precisam tomar a medicação até o fim da vida, pois até hoje nenhum remédio consegue destruir o vírus, presente nas células imunitárias, os linfócitos T CD4.

Os pesquisadores perceberam que alguns linfócitos não eram infectados pelo vírus e, até hoje, não entendiam o porquê. Nesse estudo, eles conseguiram identificar as características dos linfócitos que eram infectados com mais facilidade, e que apresentavam uma atividade metabólica mais propícia a espalhar o vírus.

Bloquear a atividade da célula

Estas células têm a particularidade de consumir mais glucose para produzir energia. As experiências mostraram que quanto mais forte era a atividade metabólica, maior era o consumo de glucose e, consequentemente, maior era a possibilidade de estar infectada pelo HIV.

Os pesquisadores tiveram então a ideia de bloquear a atividade desses linfócitos. Quando isso acontece, as células conseguem resistir à infecção e, após um tempo, o HIV é eliminado. Em laboratório, foram usados inibidores de atividade metabólica, já usados em pesquisas oncológicas.

Leia também: Apesar dos avanços, Aids ainda é uma epidemia, diz médico da OMS

Esse estudo representa um passo importante em direção à cura, graças à eliminação dessas células. Mas é preciso ter cautela.

“É uma primeira etapa interessante, mas nós não estamos hoje em uma situação em que essa descoberta possa ser usada nos humanos num futuro próximo. É preciso continuar as pesquisas e esta publicação traz uma esperança a mais na busca pela cura da aids”, disse em entrevista a France Info, Jean-Michel Molina, professor no Hospital Saint Louis, em Paris.

Molina reconheceu que o estudo é um marco na busca por uma cura, mas disse que é preciso lembrar que os testes foram feitos em laboratório. “As células foram infectadas de forma artificial, apesar de alguns resultados terem sido colhidos de amostras vindas de pacientes. Mas é preciso confirmar tudo isso, primeiro em um laboratório, e depois com testes em humanos”, finalizou.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!