Governo espanhol ameaça intervir em Madri diante do avanço “descontrolado” da Covid-19

'Não há dúvidas de que (o governo central) está preparado para fazer o que for preciso', disse ministro da Justiça espanhol

(Foto: Fernando.Calvo / AFP / POOL)

(Foto: Fernando.Calvo / AFP / POOL)

Mundo,Saúde

O governo da Espanha ameaçou nesta segunda-feira 28 fazer “o que for preciso” se o executivo de Madri não tomar medidas firmes para conter o avanço descontrolado da Covid-19 na capital, epicentro do surto no país.

 

 

Se o governo regional de Madri, dirigido pelos conservadores, não retificar e endurecer sua estratégia contra o vírus, “não há dúvidas de que (o governo central) está preparado para fazer o que for preciso”, alertou o ministro da Justiça, Juan Carlos Campo, em entrevista à rádio pública RNE.

A ameaça faz parte de uma estratégia de pressão total lançada no final da semana passada pelo governo do presidente socialista, Pedro Sánchez. O objetivo é forçar uma reação das autoridades madrilenhas, que assim como em outras regiões autônomas da Espanha, é a única competente na área da saúde.

A incidência do vírus é de 722 casos por cada 100.000 habitantes, o dobro de toda a Espanha – o país da União Europeia com o pior índice. As autoridades sanitárias consideram que a epidemia ainda está sob controle relativo se esse patamar não ultrapassar 50 casos para cada 100.000 habitantes.

O governo regional de Madri impôs há uma semana medidas de circulação restritivas nas áreas mais afetadas.

Nesta segunda-feira, essas restrições – que impedem as pessoas de saírem de seus bairros, exceto para trabalhar ou ir ao médico – foram ampliadas para pouco mais de 1 milhão dos 6,6 milhões de habitantes da região. Elas são consideradas insuficientes pelo governo central, que exige a limitação dos movimentos em toda a capital (mais de 3 milhões de habitantes) e outras áreas com alta incidência do vírus na região de Madri.

A área da capital concentra um terço dos casos confirmados e mortes de toda Espanha na pandemia (716.481 casos e 31.232 óbitos). O governo pretende reduzir ainda mais a capacidade de bares e restaurantes. Na semana passada, Madri solicitou apoio “urgente” dos militares para fazer testes e trabalhos de limpeza diante da nova onda de Covid-19.

Durante a primeira onda da pandemia, que atingiu duramente a Espanha, o Exército fez em todo o país trabalhos de apoio e desinfecção. O governo regional também solicitará ao Executivo central que facilite a recontratação de 300 médicos estrangeiros “que estiveram trabalhando durante a primeira onda da pandemia em Madri”.

 

Desgaste político

Se o governo central não der o braço a torcer, o Executivo central tem instrumentos legais para agir, adotando medidas em “situações de necessidade urgente” ou até mesmo declarar um estado de alarme em Madri. Isso permitiria que Executivo nacional assumisse o controle em matéria de saúde. Também é possível aplicar um artigo da Constituição que permite suspender a autonomia regional, como foi feito com a Catalunha após a declaração de independência frustrada em 2017.

*Com informações da AFP

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem