G20 vai injetar 5 trilhões de dólares na economia mundial para conter crise do coronavírus

O balanço global da pandemia ultrapassou 21 mil mortos e confinou em suas casas mais de três bilhões de pessoas em todo o mundo

Primeiro ministro da Austrália, Scott Morrison, no topo em destaque à direita, e os demais líderes do G20 durante conferência sobre a covid-19 (Foto: Gary Ramage / POOL / AFP)

Primeiro ministro da Austrália, Scott Morrison, no topo em destaque à direita, e os demais líderes do G20 durante conferência sobre a covid-19 (Foto: Gary Ramage / POOL / AFP)

Economia,Mundo,Saúde

Os líderes dos países do G20 anunciaram, nesta quinta-feira 26, em uma cúpula virtual, sua intenção de injetar “mais de 5 trilhões de dólares” na economia mundial, a fim de “combater as repercussões sociais, econômicas e financeiras da pandemia” do novo coronavírus.

“Estamos firmemente decididos a apresentar uma frente unida contra essa ameaça comum”, acrescentaram os representantes das principais potências mundiais em comunicado divulgado após a reunião de emergência presidida pelo rei Salman da Arábia Saudita.

O balanço global da pandemia de covid-19 ultrapassou 21.000 mortos e confinou em suas casas, de uma maneira sem precedentes, mais de três bilhões de pessoas em todo o mundo.

A reunião foi realizada no momento em que as principais potências trabalham para mitigar os efeitos da pandemia em suas próprias economias, como Estados Unidos, Alemanha e Arábia Saudita, que preside o G20 este ano.

As 20 maiores economias do mundo também anunciaram que trabalharão com organizações internacionais “para implantar um conjunto sólido, coerente, coordenado e rápido de medidas financeiras”.

E instaram essas instituições, incluindo a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), a “ajudar os países emergentes e em desenvolvimento a lidar com as perturbações da saúde, econômicas e sociais relacionadas à covid-19”.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem