Fiocruz aplica primeiras doses da vacina de Oxford no Brasil

'Sem o SUS não seria possível', afirmou presidente da Fundação Oswaldo Cruz, Nísia Trindade

Fundação Oswaldo Cruz realizou cerimônia simbólica para o início da aplicação das vacinas de Oxford. Foto: Reprodução

Fundação Oswaldo Cruz realizou cerimônia simbólica para o início da aplicação das vacinas de Oxford. Foto: Reprodução

Saúde

A Fundação Oswaldo Cruz aplicou, neste sábado 23, as primeiras vacinas desenvolvidas pela Universidade de Oxford em parceria com o laboratório AstraZeneca. Dez funcionários da Fiocruz foram vacinados. O primeiro foi o infectologista Estevão Portela, do Instituto Nacional de Infectologia da Fiocruz. A médica pneumologista Margareth Dalcolmo também recebeu imunização.

 

 

As doses aplicadas fazem parte do lote de dois milhões de doses que chegou da Índia na sexta-feira 22. As vacinas prontas foram fabricadas pelo Instituto Serum, do país asiático, e revisadas pela Fiocruz.

Após a vacinação simbólica, as doses foram encaminhadas para outros estados. Elas devem chegar primeiro no Ceará, no Amazonas e no Pará. Conforme anunciou o ministro Eduardo Pazuello, 5% das vacinas de Oxford serão destinadas a Manaus.

A logística de distribuição fica sob a responsabilidade do Ministério da Saúde. Segundo a presidente da Fundação, Nísia Trindade, o imunizante deve ser produzido em breve no próprio instituto. “Sem o Sistema Único de Saúde e a tradição do Programa Nacional de Imunização, nada seria possível”, declarou ela, em coletiva de imprensa.

Uma nova remessa de vacinas de Oxford produzidas na Índia é esperada para o começo de fevereiro.

Além dos imunizantes de Oxford, o Brasil conta com a vacina do laboratório chinês Sinovac, desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan. O imunizante começou a ser aplicado em 17 de janeiro, com a presença do governador João Doria (PSDB). Até agora, 10,8 milhões de doses da Coronavac foram liberadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem