Saúde

Total de brasileiros mortos em abril foi 64% maior que o esperado

Dados compilados pelo Conass consideram mortes naturais, causadas por doenças ou mau funcionamento do corpo e também as por Covid-19

Covas do cemitério da Vila Formosa, em São Paulo. Foto: AFP Photos Covas do cemitério da Vila Formosa, em São Paulo. Foto: AFP Photos
Covas do cemitério da Vila Formosa, em São Paulo. Foto: AFP Photos Covas do cemitério da Vila Formosa, em São Paulo. Foto: AFP Photos

O Brasil enfrenta neste ano um excesso ainda maior de mortalidade. Entre os dias 1 de janeiro a 17 de abril foram 211.847 mortes a mais do que o esperado para o período, um aumento de 64%.

A conclusão é de um painel do Conselho Nacional de Secretários de Saúde, o Conass, em parceria com a organização global de saúde pública Vital Strategies e com a Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

Os dados consideram o número de mortes naturais no País, causadas por doenças ou mau funcionamento do corpo e também os falecimentos por Covid-19 e doenças respiratórias.

A análise aponta que, até 17 de abril, o excesso de mortalidade no País já representa 77% do registrado em todo o ano de 2020. O excesso de mortalidade em 2020 foi de 22%. Em números absolutos, foram identificadas 275.587 mortes a mais do que o esperado.

“O número de mortes acima do esperado no país é superior à população de Angra dos Reis, no Rio. É como se todos os habitantes do município e ainda 4.803 visitantes tivessem morrido de forma inesperada e por causas naturais num período de quatro meses e meio”, crava uma análise sobre os dados.

As mortes não esperadas podem ser reflexo, além da infecção provocada pelo coronavírus, do atraso no diagnóstico e tratamento de outras doenças, em virtude da crise sanitária e aumento da demanda dos serviços de saúde.

Os dados são comparados com a projeção de mortalidade estimada a partir da série histórica de óbitos, com dados reunidos pelo Sistema de Informação de Mortalidade entre 2015 e 2019, aplicando-se um fator de correção para o subregistro do óbito, nos estados com menor cobertura do registro civil.

Ainda de acordo com a análise, com base na série histórica, eram esperadas até 17 de abril 328.665 mortes no País. Na primeira semana de janeiro, entretanto, o número já era proporcionalmente bem maior do esperado: a proporção de óbitos no país por causas naturais (excluídas as mortes violentas) nos primeiros sete dias de 2021 foi 36% maior do que o previsto. A tendência se manteve e a escalada das mortes por causas naturais ocorreu entre os dias 14 de fevereiro e 3 de abril. Neste intervalo, o excesso de mortalidade proporcional passou de 40% para 117%. Na última semana epidemiológica analisada, de 11 a 17 abril, o excesso de mortalidade proporcional alcançou 79%. Em números absolutos, naquela semana, ocorreram 17.837 óbitos a mais do esperado para o período.

O excesso de mortalidade foi expressivo na região Sul do País, com aumento significativo dos casos a partir de 14 de fevereiro de 2021 e com pico na semana de 14 de março, com 150% de excesso de mortalidade proporcional. No último período analisado, semana epidemiológica que começou em 11 de abril, o excesso de mortalidade proporcional ainda era muito expressivo: 84%.

Também foi verificado o excesso de mortalidade entre entre a população de até 59 anos, sobretudo entre os homens. Na população do sexo masculino de todas as faixas etárias, o número esperado de óbitos era de 171.132 até a semana de 11 de abril. No entanto, houve um total de 115.843 mortes a mais do que o projetado, um aumento de 68%. Entre mulheres, o percentual de excesso de mortalidade foi de 61%.

Uma das hipóteses que podem explicar o fenômeno é o fato de homens adotarem comportamento de maior risco de contaminação por Covid-19. A nova variante P1 também tem atingido a população abaixo dos 60 anos. A conjunção dos fatores podem explicar o maior impacto entre os homens de até 59 anos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!