Doria: Butantan pedirá registro da Coronavac à Anvisa no dia 23

Governador de São Paulo voltou a criticar a gestão Jair Bolsonaro: 'Imaginavam que iam sanar esta crise com a cloroquina'

Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação

Saúde

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou nesta segunda-feira 14 o adiamento da entrega dos resultados finais dos testes da vacina Coronavac à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O Instituto Butantan, responsável por produzir o imunizante no Brasil, enviará os dados à agência na terça-feira 23 – oito dias após a previsão inicial.

 

 

“O Butantan vai solicitar o registro da vacina na Anvisa no próximo dia 23 de dezembro. Na prática, optar por registrar a vacina com estudo conclusivo garantirá agilidade no pedido de reconhecimento desta vacina”, afirmou Doria em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

De acordo com o governo de São Paulo, o pedido de registro da vacina na Anvisa deve ser feito simultaneamente à solicitação de autorização na National Medical Products Administration (NMPA), instituição chinesa responsável pela regulação de medicamentos.

Ainda conforme a gestão de João Doria, o Instituto Butantan optou por encerrar a fase três do estudo clínico no Brasil nesta semana, já que foi superado o número “ideal” de 154 voluntários com diagnóstico positivo de coronavírus.

O tucano declarou que mantém a projeção de iniciar a imunização contra a Covid-19 em São Paulo no dia 25 de janeiro. Ele também voltou a criticar o governo de Jair Bolsonaro pela demora em avançar com um plano de vacinação e pelo “negacionismo” ao lidar com a pandemia do novo coronavírus.

“Infelizmente aqueles que há até pouco tempo menosprezavam o vírus, classificando-o de ‘gripezinha’, agora passaram a criticar o esforço pela vacinação dos brasileiros. São os mesmos que imaginavam que iam sanar esta crise com a cloroquina ou até com histórico de atleta“, ironizou o governador.

“O Brasil não tem um programa nacional de vacinação com todas as vacinas disponíveis – quando digo ‘todas’, digo ‘todas’, inclusive a vacina do Instituto Butantan”, completou Doria, em referência à resistência do governo federal à Coronavac, produzida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem