Saúde

Covid-19: média móvel de mortes está em alta há 11 dias, aponta boletim

Nas últimas 24h, foram notificados 108 óbitos e 55 mil novos casos de coronavírus

Parentes choram durante o funeral da vítima da Covid-19. Foto: Michael DANTAS / AFP
Parentes choram durante o funeral da vítima da Covid-19. Foto: Michael DANTAS / AFP
Apoie Siga-nos no

O Brasil registrou nesta segunda-feira, 108 mortes por Covid-19, elevando para 669.217 o total de vidas perdidas no país para o coronavírus. Já a média móvel foi de 141 óbitos. O número registrado é 47% maior que o cálculo de duas semanas atrás, o que demonstra tendência de alta, pelo décimo primeiro dia consecutivo. Oito estados não registraram mortes nas últimas 24 horas.

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.

O país também registrou 55.733 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando 31.756.118 infectados pelo coronavírus desde o começo da pandemia. A média móvel foi de 37.298 diagnósticos positivos. O número é 5% maior que o cálculo de 14 dias atrás, o que demonstra tendência de estabilidade.

Os números de casos e mortes foram atualizados em 27 estados.

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído” causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

Vacinação

Ao todo, 27 unidades federativas do Brasil atualizaram seus dados sobre vacinação contra a Covid-19 nesta segunda. Em todo o país, 178.893.276 pessoas receberam a primeira dose de um imunizante, o equivalente a 83,27% da população brasileira.

A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 167.065.686 pessoas, ou 77,77% da população nacional. Já 98.572.582 pessoas receberam uma dose de reforço, ou 45,35% dos brasileiros habilitados. Pelo menos 4.596.678 já receberam a segunda dose de reforço.

Até o momento, ao menos 127.960.052 crianças de 5 a 11 anos já receberam a primeira dose contra a Covid-19. Esse valor representa 62,42% da faixa etária. A vacinação infantil nas capitais tem avanço desigual, falhas de registro e atraso nos dados. Por isso, as estatísticas podem estar aquém da realidade. Apenas 7.571.941 ou 36,94% das crianças dessa faixa etária receberam a segunda dose.

Agência O Globo

Agência O Globo
Agência de notícias e de fotojornalismo do Grupo Globo.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.