Coronavírus: quais são as recomendações para evitar a contaminação?

Brasil já supera os 100 casos de contaminação. Segundo Ministério, ações podem evitar que os casos no país dobrem a cada três dias

Foto: Nelson Almeida/AFP

Foto: Nelson Almeida/AFP

Saúde

O Ministério da Saúde divulgou na sexta-feira 13 uma série de recomendações para evitar o avanço do Covid-19. Até o momento, o Brasil contabiliza 98 casos confirmados e 1485 suspeitos, de acordo com levantamento feito pela Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde.

 

No entanto, após atualização dos dados, os estados da Bahia, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Amazonas confirmaram novos casos locais, na sexta-feira 13, e ampliaram o número de pacientes da doença para 107. Segundo o Ministério, se as ações não forem tomadas há risco de que os casos no país dobrem a cada três dias. Confira!

Comportamentos individuais

  • Utilizar o antebraço para cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar. Em caso de uso de lenço, ele deve ser descartado
  • Lavar as mãos com frequência e ficar em casa se estiver doente
  • Utilizar máscara se estiver doente ou tiver contato domiciliar com doentes. Os profissionais de saúde devem utilizá-la
  • Evitar apertos de mão, não compartilhar alimentos e bebidas.
  • Aumentar a distância social, evitando a exposição a lugares lotados
  • Idosos e doentes crônicos não devem frequentar lugares de grandes aglomerações, como cinemas, teatros, shoppings ou mesmo planejar viagens
  • Se possível, mudar rotina no transporte público.
  • Preferir exercícios ao ar livre. Academias podem estimular horários alternativos e reforçar higiene de seus equipamentos.
  •  Quem usa medicamentos contínuos deve pedir prescrições com validade mais prolongada, para evitar ter que ir a uma unidade de saúde no período entre o outono e o inverno.
  • Preferir compras fora de horário de pico.

Empresas e instituições de ensino

  • Shoppings e comércios devem permitir aos frequentadores lavarem as mãos com frequência, disponibilizar álcool 70%, toalhas descartáveis e cuidar da limpeza dos ambientes com mais frequência, incluindo pisos, corrimões e maçanetas
  • Empresas devem incentivar reuniões virtuais, cancelar viagens que não sejam essenciais e usar o home office (trabalho remoto). Também é recomendada a adoção de horários alternativos e escalas diferenciadas para os trabalhadores, para que haja menos pessoas circulando em horários de pico.
  • Instituições de ensino devem planejar a antecipação de férias – para diminuir o prejuízo ao calendário escolar – mudar horários de aulas e usar ferramentas de ensino a distância. As superfícies em que os estudantes tem contato direto, como corrimões e maçanetas, devem ter limpeza redobrada. Estudantes devem ter seu próprio recipiente para tomar água e evitar bebedouros.

Eventos

  • Eventos com concentração próxima de pessoas devem ser cancelados ou adiados se houver tempo hábil. Se isso não for possível, a recomendação é que o evento ocorra sem público. A recomendação vale tanto para eventos em massa como para aqueles em local fechado, sejam governamentais, esportivos, artísticos, culturais, políticos, científicos, comerciais ou religiosos
  • Cruzeiros turísticos também devem ser adiados enquanto o período de emergência em saúde pública estiver em vigor.
  • Velórios de pessoas que morreram por infecção de Covid-19 devem acontecer sem aglomeração de pessoas.

Viajantes internacionais

  • Viajantes internacionais que chegarem ao Brasil devem ficar em isolamento domiciliar por 7 dias, mesmo que não tenham sintomas de Covid-19.
  • As pessoas com sintomas devem ficar em isolamento domiciliar por até 14 dias.
  • Se, durante esse isolamento, tiverem falta de ar (dispneia), ou febre com tosse, devem procurar uma unidade de saúde. No caso de falta de ar, deverá ser procurada uma unidade de referência.

Atendimento médico

  • As pessoas não devem procurar atendimento médico se tiverem apenas tosse, apenas coriza, apenas coriza e mal estar e sensação de moleza no corpo ou apenas febre. A recomendação é que se procure a rede de atendimento se os sintomas aparecem ao mesmo tempo. Caso ocorra apenas um dos sintomas, a recomendação do Ministério da Saúde é que se entre em contato com o número 136 para que uma equipe de saúde possa dar orientações.

Sistemas de saúde

  • A depender da situação, trabalhadores de saúde devem usar equipamentos de proteção individual
  • A triagem nas redes de atendimento deve ser feita mais rápida para evitar que pessoas com sistemas respiratórios passem muito tempo nas salas de espera. Vacinações devem ser feitas em áreas abertas
  • Os sistemas também devem planejar a ampliação das equipes, com estagiários, estudantes e aposentados e realizar campanhas de sensibilização da população
  • Nas UTIs, devem ser monitoradas as admissões e as altas relacionadas ao Covid-19. Secretarias municipais devem ter atualizações diárias desses dados.
Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem