Coronavac tem 78% de eficácia contra o coronavírus, segundo governo de SP

Mais detalhes dos resultados serão apresentados em coletiva agendada para as 12h45 desta quinta-feira

Foto: Governo de SP

Foto: Governo de SP

Saúde

O governo de São Paulo declarou nesta quinta-feira 7 que a vacina Coronavac, produzida em parceria pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butatantan, registrou 78% de eficácia nos testes clínicos da fase 3. A taxa mínima recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também pela Anvisa é de 50%.

 

 

Mais detalhes dos resultados serão apresentados em coletiva agendada para as 12h45 desta quinta-feira.

Ainda segundo o governo, a vacina garantiu proteção total contra mortes nos voluntários vacinados que foram contaminados.

No Brasil, a vacina foi testada em 16 centros de pesquisas, em sete estados e no Distrito Federal. Treze mil voluntários brasileiros participaram dos testes, que começaram em julho de 2020.

Com o resultado, o Butantan deve encaminhar ainda nesta quinta um pedido de uso emergencial do imunizante à Anvisa, e na análise  deve ser feita em até dez dias.

O governador João Doria afirmou que a vacinação em São Paulo deve começar no dia 25 de janeiro, de segunda a sexta, das 7h às 22h, e de 7h às 17h aos sábados, domingos e feriados.

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, no entanto, afirmou em pronunciamento em rede nacional que a Coronavac será incorporada ao calendário nacional de vacinação, que ainda não foi apresentado.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem