Saúde

Conselho Federal de Medicina diz que não vai rever aval ao ‘tratamento precoce’ contra a Covid-19

Após os medicamentos serem apontados como causa de algumas mortes no País, o presidente do órgão afirmou que médicos serão investigados

Conselho Federal de Medicina diz que não vai rever aval ao 'tratamento precoce' contra a Covid-19. Foto: LQFEx/Ministério da Defesa
Conselho Federal de Medicina diz que não vai rever aval ao 'tratamento precoce' contra a Covid-19. Foto: LQFEx/Ministério da Defesa

Mesmo com a ineficácia de medicamentos usados no chamado ‘tratamento precoce’ contra a Covid-19, o Conselho Federal de Medicina não vai rever o aval dado aos médicos para a utilização dos fármacos. Foi o que afirmou nesta quinta-feira 25 o presidente do órgão, Mauro Ribeiro, em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo.

“Essa ideia de que a ciência já concluiu que essas drogas não têm efeito não é 100% verdadeira. Porque se você for pra literatura, você tem de tudo, tem trabalhos que mostram efetividade dessas drogas no tratamento inicial da Covid e outros tantos que mostram que essas drogas não têm efeito nenhum na Covid”, afirmou.

O parecer de abril do ano passado dá autonomia aos médicos brasileiros para prescreverem os remédios. Os ‘kits covids incluem cloroquina, azitromicina e ivermectina.

O uso desse tipo de tratamento foi desaconselhado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O médico tem que sentar com o paciente e explicar que é um tratamento que não tem comprovação que faça algum alguma diferença e que, se o paciente quiser ser tratado e o médico se disponibilizar a tratar, que seja feito o tratamento”, ressaltou Ribeiro.

Médicos investigados

Segundo uma reportagem do Estadão, a utilização das drogas do kit covid já levou cinco pacientes à fila do transplante de fígado em São Paulo e é apontada como causa de ao menos três mortes por hepatite.

Ribeiro afirma que os médicos brasileiros não têm uma carta de alforria e que casos denunciados ao Conselho serão investigados.

“Agora, sabemos que existem excessos dos dois lados. Os médicos que se excedem de forma pública estão sujeitos a sindicâncias abertas e eles vão ter o direito de apresentarem sua defesa e serão julgados pelos seus pares. Esses excessos são condenáveis, sim. O médico não pode, baseado no parecer do CFM, dizer que o tratamento é milagroso.”

O presidente da entidade critica também que Prefeituras entreguem kits com medicamentos para a Covid-19 aos profissionais de saúde.

“Somos contra uma prefeitura ou quem quer que seja entregar o kit para o médico dizendo que ele tem que prescrever aquilo. Agora, o médico deve ter a autonomia dele, ele pode prescrever as medicações que ele julgar necessário”.

Conselho critica gestão Bolsonaro

Ribeiro diz que houve uma politização em cima do uso dos medicamentos e criticou como o Governo Federal  atua no combate à pandemia no País.

“Existem informações desencontradas por parte do governo federal? Claro que existem. Existe um excesso em relação a preconização do chamado tratamento precoce? Com certeza absoluta. Mas o médico brasileiro sabe o que faz. Nós precisamos agora reunificar o País. Isso é urgente”

O presidente Jair Bolsonaro mudou o tom sobre a vacinação em massa no Brasil, que também é defendida por Ribeiro, mas não deixou de lado sua crítica contra o isolamento social e a defesa do chamado ‘tratamento precoce’.

Na quarta-feira 24, após reunião com chefe dos poderes, Bolsonaro disse que existe a possibilidade de tratamentos precoces.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!