China autoriza testes clínicos de novas vacinas contra coronavírus

Neste momento, China realiza testes clínicos de três vacinas diferentes para o covid-19

Foto: Andrew Theodorakis/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP

Foto: Andrew Theodorakis/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP

Saúde

A China anunciou, nesta terça-feira 14, que foram aprovados testes em pessoas de duas vacinas experimentais para combater o novo coronavírus. Ambas as vacinas usam patógenos inativos, explicou Wu Yuanbin, funcionário do Ministério da Ciência e Tecnologia chinês, em entrevista coletiva.

Os testes de uma das vacinas, desenvolvida em Pequim pelo laboratório farmacêutico chinês Sinovac Biotech, foram aprovados ontem pela agência chinesa de medicamentos e segurança alimentar, destacou.

A segunda, desenvolvida pelo Instituto de Produtos Biológicos e o Instituto de Virologia, ambos de Wuhan, onde começou a pandemia, foi autorizada no domingo. Desta forma, a China realiza, no momento, testes clínicos de três vacinas diferentes.

Pequim havia aprovado os primeiros testes em 16 de março, para uma vacina desenvolvida pela Academia militar de Ciências Médicas e o grupo chinês de biotecnologia CanSino.

“A vacinação de pessoas durante a fase 1 dos testes clínicos, bem como o recrutamento de voluntários para a fase 2 dos testes, começaram em 9 de abril”, assinalou Wu sobre a terceira vacina. “Trata-se da primeira vacina no mundo contra o coronavírus a ter iniciado os estudos clínicos da fase 2.”

A empresa farmacêutica americana Moderna havia anunciado simultaneamente, em meados de março, que realizaria testes clínicos de uma vacina.

Outros projetos desenvolvidos por equipes chinesas, usando vírus da gripe atenuados ou ácidos nucleicos (biomoléculas portadoras de informações genéticas), estão sendo avaliados ou testados em animais, segundo Wu.

Grupos farmacêuticos e de pesquisas em todo o mundo se lançaram em uma corrida para desenvolver tratamentos e vacinas contra a Covid-19, que já causou a morte de mais de 120 mil pessoas e infectou quase 2 milhões. O prazo estimado para o desenvolvimento de uma vacina é de, no mínimo, entre 12 e 18 meses.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem