Saúde

Brasil tem 749 mortes em um dia por coronavírus e total supera 13 mil

São mais de 188 mil casos confirmados de covid-19 em todo o país, diz Ministério da Saúde

Foto: Paulo Desana/Dabakuri/Amazônia Real
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde contabilizou novas 749 mortes por coronavírus em 24 horas, segundo atualização desta quarta-feira 13. O total é de 13.149 óbitos em todo o Brasil. Segundo a pasta, o país registrou mais 11.385 infecções em um dia, resultando em 188.974 mil contaminações entre os brasileiros.

A taxa de letalidade é de 7%. De acordo com o Ministério da Saúde, 78.424 diagnosticados foram recuperados, o equivalente a 41,5% dos casos identificados. Outros 97.402 pacientes seguem em acompanhamento, o que corresponde a 51,4% dos contaminados.

O estado de São Paulo segue na dianteira no índice de letalidade, com 4.118 mortes e 51.097 contaminados. A contragosto do presidente Jair Bolsonaro, o governador João Doria (PSDB) afirmou que não vai seguir o decreto que liberou o funcionamento de salões de beleza, academias e barbearias. Segundo o tucano, ainda não há previsão para determinar lockdown no estado.

No Rio de Janeiro, são 2.050 mortes e 19.156 contaminados. Cidades como Niterói e São Gonçalo já adotaram o lockdown para conter a proliferação do novo coronavírus. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) comunicaram ao governo de Wilson Witzel (PSC) que recomendam o lockdown no território fluminense.

O Ceará, também sob lockdown, aparece como o terceiro estado mais afetado pela doença. São 1.389 óbitos e 19.156 infectados. Em seguida, vem o estado de Pernambuco, com 1.224 vítimas fatais e 14.901 pacientes. Na sequência, o Amazonas contabiliza 1.160 mortes e 15.816 casos confirmados.

Na terça-feira 12, o Brasil atingiu recorde de registros de óbitos por coronavírus em 24 horas, quando o Ministério da Saúde contabilizou 881 vítimas fatais identificadas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo