Brasil tem 46 mortes e 2.201 infectados pelo coronavírus

Os números foram atualizados pelo Ministério da Saúde. Número de óbitos cresceu 35% em 24h; primeira morte foi há uma semana

Medição de temperatura no Pará por conta de coronavirus. Foto: Agência Pará/Fotos Públicas

Medição de temperatura no Pará por conta de coronavirus. Foto: Agência Pará/Fotos Públicas

Saúde

O Ministério da Saúde atualizou o número de casos confirmados de Covid-19 em 2201 infectados, com 46 mortes em decorrência do coronavírus até agora no País. Os números foram apresentados em uma coletiva desta terça-feira 24.

É um aumento de 35% em número de óbitos, em todo o País, de um dia para outro. A primeira morte foi anunciada há uma semana.

Todos os estados no País têm casos confirmados de coronavírus, e São Paulo segue sendo o local com mais infectados (810) e mortes (40). Nesta terça, o estado entrou em quarentena oficial de 15 dias, decretada pelo governador João Doria no último sábado.

As outras seis vítimas fatais são do Rio de Janeiro, que contabiliza 305 casos confirmados. O terceiro estado com mais casos confirmados é o Ceará, com 182 pessoas com a Covid-19.

 

Já as secretarias da saúde, em balanço divulgado no fim da tarde desta terça-feira, contabilizam 2197 casos confirmados.

São Paulo teve dez novas mortes anunciadas em 24 horas, somando 40 óbitos. Os novos casos aconteceram todos na Grande São Paulo.

Entre as novas vítimas há seis homens (71, 75, 79, 80, 89 e 93 anos) e quatro mulheres (48, 65, 84 e 85). A mulher de 48 anos, tinha comorbidades e era de Vargem Grande Paulista. As outras cidades da Grande São Paulo com registro de óbitos foram Guarulhos (mulher, 85 anos), Taboão da Serra (mulher, 84) e Osasco (homem, 79).

Entre o total de mortes registradas até o momento, 37 ocorreram em hospitais privados e três em hospitais do SUS (Sistema Único de Saúde). O Estado também registra 810 casos confirmados.

O Ministério quer implementar a orientação da Organização Mundial da Saúde e ampliar consideravelmente o número de testes no País. Na coletiva, a pasta anunciou a compra de cerca de 22 milhões de testes para o coronavírus.

No total, estão 14 milhões de testes moleculares – processados nos laboratórios e chamados de RTP-CR – e 8 milhões de testes rápidos de sorologia – realizados com uma gota de sangue e conhecidos como testes rápidos. Segundo o Ministério, há a expectativa que esses testes sejam distribuídos para cidades com mais de 500 mil pessoas. A expectativa é ter taxas de letalidade, pelo menos, mais próximas do real, já que cerca de 86% dos infectados com o vírus não chegam a ser diagnosticados formalmente, segundo projeções feitas pela OMS.

Apesar dos resultados positivos relacionados ao isolamento, não são todos os brasileiros que passaram a trabalhar em casa por conta da pandemia. Segundo a pesquisa Datafolha publicada nesta terça, 54% dos entrevistados afirmaram que suas atividades não poderão continuar sendo realizadas remotamente enquanto durar o período de isolamento recomendado pelas autoridades.

 

No tarde da segunda-feira 24, o presidente Jair Bolsonaro anunciou um pacote de 88 bilhões de reais após uma conversa conciliatória com os governadores, criticados pelo presidente por adotarem medidas mais restritivas em relação ao avanço do vírus no Brasil.

Serão 8 bilhões de reais destinados à saúde; 16 bilhões aos Fundos de Participação de Estados (FPE) e Municípios (FPM); 2 bilhões para o Orçamento Assistencial Social; 12,6 bilhões para suspensão de dívidas dos estados com a União; 9,6 bilhões para renegociação com bancos e 40 bilhões para operações com facilitação de créditos.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem