Brasil é 4º país do mundo com mais casos de covid-19 nas últimas duas semanas

Em 14 dias, o país registrou 59 mil casos, superando, no período, a Itália, com 33 mil casos, e a Espanha que registrou metade do número

Foto: DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP

Foto: DANIEL LEAL-OLIVAS/AFP

Saúde

Os números de coronavírus registrados pelo Brasil nos últimos 14 dias, leva o país a ser o quarto em um ranking mundial de casos. Dados divulgados no domingo pelo Centro de Prevenção e Controle de Doenças da Europa mostram que, em duas semanas, o Brasil registrou 59 mil novos casos, superando Itália e Espanha no período.

No caso italiano, foram 33 mil novos casos nos últimos 14 dias. A Espanha registrou metade do número de casos que o Brasil. Ainda assim, os países superam o Brasil no número total de casos.

A liderança é dos EUA, com 397 mil novos casos. A Rússia vem em segundo lugar, com 87 mil; e, na sequência, o Reino Unido com 68 mil.

Já a OMS vê que o País já registrou o quarto maior número de mortes em 24 horas, levando em conta os números apresentados no último sábado e domingo. No sábado, o Brasil teve 421 mortes a mais, chegando ao saldo de 6750 mortos. Já no domingo, o número teve incremento de 275 mortes a mais, chegando a 7025 óbitos. Os dias somaram um total de 696 mortes anunciadas. No último levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde, o País também superou os 100 mil casos de coronavírus, são 101.147.

O Brasil vem chamando a atenção de organismos internacionais por uma conjunção de fatores: gerência da crise, disputas políticas e atitudes negacionistas. Os órgãos temem que a pandemia saia do controle, assim como aconteceu nos EUA, e comece a atingir países vizinhos.

As atitudes do presidente Jair Bolsonaro em meio à pandemia aumentam a sensação de desconfiança em relação ao País. As suas declarações minimizando a importância do isolamento social e o incentivo às aglomerações foram rechaçadas por parte dos deputados do Parlamento Europeu, que enviaram uma carta ao alto representante da UE para Assuntos Exteriores, Josep Borell, tecendo críticas a Bolsonaro.

O presidente Donald Trump também voltou seus olhares para o Brasil em suas coletivas. Na terça-feira 28, falar do país com o governador da Florida, Ron De Santis, ele declarou que estuda fechar as fronteiras com o Brasil e que estaria olhando para o país de perto.

“O Brasil tem praticamente um surto, como vocês sabem, eles também foram em um caminho diferente de outros países na América do Sul. Se você olhar os gráficos, vai ver o que aconteceu infelizmente com o Brasil. Então estamos olhando muito de perto e em coordenação com outros governadores, especialmente com o Ron”, disse Trump.

Na tentativa de minimizar o desgaste do País, o governo brasileiro tem tentado buscar as organizações internacionais e explicar seu posicionamento em meio à pandemia. O Itamarati já teria direcionado três cartas à OMS explicando as medidas sanitárias e de proteção social adotadas pelo Brasil em meio à pandemia.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem