Bolsonaro diz para apoiadores invadirem hospitais em busca de leitos vazios

Com mais de 40 mil mortes registradas no País, presidente duvida da lotação de hospitais e diz que 'denúncias' são encaminhadas à PF e Abin

(Foto: Reprodução/Facebook)

(Foto: Reprodução/Facebook)

Saúde

O presidente Jair Bolsonaro incentivou que seus apoiadores invadam hospitais com pacientes da covid-19, que já matou mais de 40 mil pessoas no Brasil, para conferir se os leitos estão realmente ocupados no nível que alegam as secretarias estaduais de Saúde.

A declaração, que foi feita na live semanal do presidente na noite de quinta-feira 11, repercutiu como mais uma das atitudes de Bolsonaro que duvida dos impactos da pandemia no País e coloca pessoas em risco. No vídeo, ele questionou se as pessoas morreram por falta de respiradores ou UTIs no País, e disse que a checagem da situação atual dos leitos poderia ser feita por quem está “na ponta de linha”.

“Seria bom você fazer, na ponta de linha… tem um hospital de campanha perto de você, um hospital público, arranja uma maneira de entrar e filmar. Muita gente tá fazendo isso, mas mais gente tem que fazer pra mostrar se os leitos estão ocupados ou não, se os gastos são compatíveis ou não. Isso nos ajuda.”, disse o presidente.

Bolsonaro também afirmou que o que chega para ele por meio das redes sociais é “filtrado” e encaminhado para a Polícia Federal ou Abin (Agência Brasileira de Inteligência). “Lá eles veem o que fazem com esses dados. Não posso prevaricar… o que chega ao meu conhecimento, eu passo pra frente”, afirmou. A relação de Bolsonaro com a PF é alvo de investigação no Supremo Tribunal Federal, que apura tentativa de interferência política na corporação.

Nas redes, a repercussão da fala de Bolsonaro causou espanto. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB-MA), afirmou que bastaria o presidente conferir os boletins dos governos estaduais para entender a real situação do País frente ao vírus. “E se ele quiser visitar os nossos hospitais, eu mesmo mostro para ele.”, acrescentou.

Outros usuários do Twitter questionaram quanto tempo demoraria para que os apoiadores do presidente seguissem seus conselhos. “Vai demorar quanto para aparecer vídeos de bolsonaristas invadindo leitos e filmando doentes? E se infectando?”, escreveu um internauta.

Um caso semelhante chegou a acontecer em São Paulo, onde deputados estaduais ligados à oposição da gestão do governador João Doria (PSDB) invadiram uma ala vazia do Hospital de Campanha do Anhembi. O vídeo chegou a ser compartilhado amplamente pelas redes sociais dos apoiadores de Bolsonaro.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que “os deputados e assessores invadiram o HMCamp do Anhembi de maneira desrespeitosa, agredindo pacientes e funcionários verbal e moralmente, colocando em risco a própria saúde porque inicialmente não estavam usando EPIs e a própria vida dos cidadãos que estão internados e em tratamento na unidade.”

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem