Saúde

80% dos mortos e internados por Covid-19 no Brasil não foram vacinados

Segundo estudo, o número de óbitos caiu 94% desde que a segunda dose passou a ser aplicada no Brasil

Vacina para todos 
é um lema mundial. (Foto: Cristine Rochol/Prefeitura de Porto Alegre)
Vacina para todos é um lema mundial. (Foto: Cristine Rochol/Prefeitura de Porto Alegre)

Levantamento realizado pela Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Estadual Paulista (Unesp) revela que, entre as vítimas da Covid-19 no Brasil , 80% não tomaram nenhuma dose da vacina contra o novo coronavírus.

Segundo o estudo, divulgado neste domingo 5 pelo UOL, do início de março até o dia 15 de novembro, 306.050 pessoas faleceram em decorrência da doença. Destes, 79,7% (243 mil) correspondem a brasileiros que não iniciaram o ciclo vacinal de imunização contra a doença. Entre aqueles que tomaram apenas uma dose, 9,7% (29 mil) faleceram e entre os que completaram o esquema vacinal, 10,7% (32 mil).

Já em outubro, o número de vítimas do novo coronavírus entre vacinados (3.293) superou o de não vacinados (2.000), porém, a diferença ocorreu pela proporção desigual de pessoas imunizadas e não imunizadas.

Ainda de acordo com os pesquisadores, a quantidade de pessoas internadas depois de contrair Covid foi: dos 981 mil internados, 802 mil (81,7%) não tinham tomado nenhuma dose da vacina, enquanto foram apenas 93 mil internações (9,6%) entre os que receberam as duas doses ou a dose única do imunizante. Os internados após uma dose da vacina somaram 85 mil (8,7%).

O número de mortos caiu 94% desde que a segunda dose passou a ser aplicada no Brasil: foram 89,6 mil óbitos em março contra 5.744 em outubro, apontou o levantamento.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!