Política

YouTube removerá vídeos com falsas alegações sobre as eleições de 2018

Jair Bolsonaro é um dos principais disseminadores de fake news sobre a legitimidade do pleito que o conduziu à Presidência

Foto: ERIC PIERMONT/AFP
Foto: ERIC PIERMONT/AFP
Apoie Siga-nos no

O YouTube divulgou, nesta terça-feira 22, uma atualização de suas políticas contra a desinformação em eleições. As alterações terão impacto na campanha brasileira deste ano.

A plataforma informou que deletará vídeos que apresentam alegações infundadas de fraude nas eleições de 2018 – não apenas conteúdos publicados a partir de agora, mas também aqueles que já estão no ar.

A medida atingirá, por exemplo, “conteúdo postado após a certificação dos resultados oficiais para promover alegações falsas de que fraudes, erros ou problemas técnicos generalizados mudaram o resultado de eleições nacionais anteriores”. No momento, diz o YouTube, a ação se aplica a “qualquer eleição presidencial dos EUA; eleições federais da Alemanha de 2021; e eleições presidenciais do Brasil de 2018”.

A “supressão de eleitores” é um dos alvos da plataforma. As novas diretrizes miram, entre outros, os vídeos que alegam “incorretamente que as urnas eletrônicas de votação brasileiras foram invadidas por hackers no passado para mudar o voto de pessoas”.

Segundo as novas políticas, conteúdos que inicialmente violem as diretrizes poderão ser exibidos se incluírem uma contextualização no próprio vídeo, no áudio, no título ou na descrição.

O presidente Jair Bolsonaro é um dos principais difusores de fake news sobre as eleições de 2018, tornando-se, inclusive, alvo de inquéritos. Em um deles, a Polícia Federal concluiu que o ex-capitão cometeu crime ao divulgar documentos sigilosos de investigação sobre um ataque hacker ao Tribunal Superior Eleitoral. O objetivo do presidente seria mostrar a vulnerabilidade das urnas eletrônicas, embora a investigação da ofensiva hacker não tenha encontrado elementos nesse sentido.

No TSE, Bolsonaro virou alvo de inquérito administrativo sobre possível abuso de poder econômico e político, uso indevido dos meios de comunicação social, corrupção, fraude, condutas vedadas a agentes públicos e propaganda antecipada, devido aos ataques contra o sistema eletrônico de votação e a legitimidade das eleições. O caso é tocado pelo corregedor-geral do TSE, ministro Mauro Campbell Marques.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.