WhatsApp baniu mais de mil contas por disparos em massa no período eleitoral, diz TSE

Entre 27 de setembro e 15 de novembro, tribunal recebeu mais de 4,7 mil denúncias

Foto: Manan Vatsyayana/AFP

Foto: Manan Vatsyayana/AFP

Política

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou nesta quinta-feira 19 que o aplicativo WhatsApp excluiu 1004 contas após denúncias de disparos em massa durante a campanha eleitoral deste ano, entre 27 de setembro e 15 de novembro.

 

 

Nesse período, a plataforma de denúncias conjunta entre TSE e WhatsApp recebeu 4.759 denúncias. Dessas, 129 foram desconsideradas por não estarem relacionadas às eleições. As 4.630 restantes foram enviadas ao aplicativo de mensagens para verificação de possível violação dos Termos de Serviço.

Das 3.236 contas válidas identificadas, 1.004 foram banidas, o que representa mais de 31% das contas válidas enviadas pelo TSE. Entre os perfis banidos, mais de 63% já haviam sido bloqueados pelo próprio sistema do WhatsApp, segundo o TSE.

“O disparo em massa de mensagens é uma prática proibida, passível de punição nas eleições. Os eleitores devem estar atentos e denunciar atividades suspeitas que desequilibrem o processo eleitoral”, disse a secretária-geral da Presidência do TSE, Aline Osorio, coordenadora do Programa de Combate à Desinformação.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem