Weintraub é reeleito diretor-executivo do Banco Mundial

Ex-ministro da Educação ocupava cargo como substituto. Mandato de dois anos começa no domingo 1

Ex-ministro da educação é reeleito diretor-executivo do Banco Mundial

Ex-ministro da educação é reeleito diretor-executivo do Banco Mundial

Política

O ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi reeleito para o cargo de diretor-executivo do Banco Mundial. A informação foi divulgada pela própria instituição nesta sexta-feira 30.

 

 

Weintraub ocupava o cargo na diretoria-executiva como substituto, em uma espécie de ‘mandato-tampão’ que chega ao fim no sábado 31. O mandato de dois anos começa no domingo 1.

“Diretores Executivos não são funcionários do Banco Mundial. Eles são nomeados ou eleitos pelos representantes dos nossos acionistas”, informou a instituição financeira em comunicado.

Segundo a instituição, o ex-ministro foi eleito como representante de Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Haiti, Panamá, Filipinas, Suriname e Trinidad e Tobago.

A viagem de Weintraub aos EUA é alvo de investigação. Embora o ex-ministro tenha anunciado a saída do governo no dia 18 de junho, ele só foi exonerado oficialmente no dia 20, quando já estava no exterior. A suspeita é de que ele tenha se valido do passaporte diplomático para driblar a quarentena para cidadãos comuns na chegada aos Estados Unidos, em meio à pandemia da Covid-19.

O ex-ministro também é alvo de dois inquéritos junto ao Supremo Tribunal Federal, um que apura declarações racistas contra chineses e outro sobre ameaças a ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem