Venezuela começa vacinação de professores contra a Covid-19

O presidente venezuelano Nicolás Maduro pediu a volta às aulas presenciais em abril

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Política

A Venezuela começou a vacinar professores contra a Covid-19 nesta segunda-feira 8, em um momento em que o presidente venezuelano pediu a volta às aulas presenciais em abril.

 

 

O governo prevê que cerca de 100 mil professores sejam imunizados com a vacina do laboratório chinês Sinopharm neste país de 30 milhões de habitantes, segundo o ministro da Saúde, Carlos Alvarado.

“Se formos todos vacinados, podemos voltar (…). Há mais confiança para o professor voltar às aulas e ficar com os nossos jovens”, disse à AFP Beberly Barrera, de 38 anos, coordenadora de estabelecimentos públicos de ensino de uma das paróquias de Caracas, após ter sido vacinada.

O presidente Nicolás Maduro disse no fim de semana que as aulas presenciais, suspensas em março de 2020, devem ser retomadas em abril, embora não tenha especificado detalhes.

A Venezuela lançou seu plano de imunização contra a Ccovid-19 em 18 de fevereiro, após receber um primeiro lote da vacina russa Sputnik V, que se destinava a trabalhadores do setor de saúde e também às autoridades. Maduro recebeu a primeira dose no sábado.

Segundo o governo, 200 mil doses da Sputnik V chegaram ao país sul-americano, de um total de 10 milhões acertado com Moscou, e 500 mil da Sinopharm.

Com 142.338 infecções por Covid-19 e 1.384 mortes, segundo dados oficiais questionados por organizações como a Human Rights Watch, a Venezuela também reservou entre 1,4 milhão e 2,4 milhões de vacinas AstraZeneca por meio do sistema Covax de Saúde da Organização Mundial, mas não puderam receber devido a dívidas com a OMS.

O governo Maduro viu seu acesso às contas estatais no exterior limitado, com fundos bloqueados cujo controle está nas mãos do líder oposicionista Juan Guaidó, reconhecido como o presidente responsável pelo país pelos Estados Unidos e cinquenta governos.

No último ano, o governo socialista promoveu um esquema de educação à distância, prejudicado por graves deficiências nos serviços de eletricidade e internet.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem