Veja como foram as manifestações por Lula livre no Brasil e no mundo

Nos atos, gritos de protesto contra o ministro Sérgio Moro e o presidente Jair Bolsonaro

Foto: Ricardo Stuckert/Reprodução

Foto: Ricardo Stuckert/Reprodução

Política

Um ano após a prisão do ex-presidente Lula, movimentos impulsionados pela campanha Lula Livre se manifestaram em diversas capitais brasileiras e internacionais pedindo a revisão da condenação. Nos atos, gritos de protesto contra o ministro Sérgio Moro, principal algoz de Lula no TRF-4, contra o presidente Jair Bolsonaro e contra a reforma da Previdência somavam-se à motivação principal dos encontros.

Em Curitiba, os manifestantes se concentraram em frente à Polícia Federal, onde Lula está preso. Segundo os organizadores do Comitê Lula Livre, estiveram presentes cerca de 10 mil pessoas nas regiões próximas à PF.

Fernando Haddad e Gleisi Hoffmann na frente da Polícia Federal em Curitiba (Foto: Ricardo Stuckert/Reprodução).

Em São Paulo, o ato contou com figuras políticas do PT, como o ex-ministro Alexandre Padilha e o vereador Eduardo Suplicy, e de demais partidos, como Guilherme Boulos do PSOL. Para Padilha, a pluralidade de pautas presentes demonstra uma união em volta da figura do ex-presidente. “A liberdade do Lula organiza a população de uma forma que barra essa proposta de destruição da Previdência”, disse.

Para Boulos, coordenador do MSTS e da Frente Povo sem Medo, questões como o adiamento da prisão em segunda instância pelo STF, a proibição do ex-presidente dar entrevistas e a ausência de Lula no enterro do irmão foram fatores que atestam a prisão política. “Não é uma pauta só dos petistas, é uma pauta democrática no Brasil”, acrescentou.

Veja abaixo como foram as manifestações pelo Brasil e pelo mundo:

Natal

Fortaleza

Caetés (PE)

Genebra

Paris

Londres

 

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem